sexta-feira, 6 de julho de 2018

AINDA A DEGRADAÇÃO DO ENSINO EM PORTUGAL

Começo por dizer que não estou só nesta afirmação. Há pouco mais de um ano, o Primeiro Ministro António Costa, na cerimónia de entrega do Prémio Manuel António da Mota, no Palácio da Bolsa, no Porto, disse, preto no branco: “De uma vez por todas, o país tem de compreender que o maior défice que temos não é o das finanças. O maior défice que temos é o défice que acumulámos de ignorância, de desconhecimento, de ausência de educação, de ausência de formação e de ausência de preparação”.

Como já escrevi, à semelhança do que se passou com a Primeira República, a classe política, no seu todo, a quem os Capitães de Abril, há 44 anos, generosa, honradamente e de “mão beijada”, entregaram os nossos destinos, mais interessada nas lutas pelo poder, esqueceu-se completamente de facultar aos cidadãos civismo, cultura democrática e cultura humanística. Entre os sectores da vida nacional que nada beneficiaram com esta abertura à democracia está a Educação. E, aqui, a ESCOLA FALHOU COMPLETAMENTE.

As muitas dezenas de comentários, desencadeados pelos meus escritos no Facebook sobre este tema, suscitaram um muito interessante debate, que me ajudou a consolidar a minha opinião sobre um grave problema que nos atinge e que urge enfrentar.

É, pois, minha convicção que:

Como no antigamente, a par de bons, muito bons e excelentes professores, muitos deles desmotivados, há outros, francamente maus, instalados na confortável situação de emprego garantido até à reforma.

A preparação científica e pedagógica dos professores não pode deixar de ser devida e profundamente avaliada, através de processos de avaliação a sério, criteriosamente regulados, por avaliadores devidamente credenciados.

Os sindicatos, nivelando, por igual, os bons e os maus professores, têm grande responsabilidade numa parte importante da degradação do nosso ensino público.

Os professores têm de saber muito mais do que o estipulado no programa da disciplina que devem ter por missão ensinar, não se podendo limitar a meros transmissores dos manuais de ensino.

Os professores necessitam absolutamente de tempo, e tempo é coisa que, no presente, não têm. É, pois, essencial libertá-los de todas as tarefas que não sejam as de ensinar.

É necessário e urgente repor, como inerência de cargo, a dignificação e o respeito pelo professor, duas condições que lhes foram retiradas com o advento da liberdade que os militares de Abril nos ofereceram e que a democracia não soube aproveitar.

É necessário e urgente que a Escola recupere todas as competências fundamentais à disciplina, aqui entendida como a obrigatoriedade de respeitar as normas estabelecidas democraticamente, o que evita o autoritarismo, conferindo a autoridade a quem a deve ter.

É necessário e urgente rever toda a política dos manuais de ensino, em especial no que diz respeito à creditação científica e pedagógica dos autores e revisores.

É preciso repensar a política de exames, a começar pela creditação científica e pedagógica dos professores escolhidos para conceber e redigir os questionários.

É necessário resolver o gravíssimo problema da colocação de professores, com vidas insuportáveis material e emocionalmente, a dezenas de quilómetros de casa, separados das famílias;

A remuneração dos professores tem de ser compatível com a sua superior importância na sociedade.

É preciso e urgente que o Ministério da Educação se torne numa das principais preocupações dos governos, não só na escolha dos titulares, como nas respectivas dotações orçamentais.

É urgente olhar para a realidade do nosso ensino e haver vontade e força política (despida de constrangimentos partidários), ao estilo de um “ACORDO DE REGIME”, capaz de promover uma profunda avaliação e consequente reformulação desta nossa “máquina ministerial”, poderosa e, de há muito, instalada.
Lisboa 5 de julho de 2018
A. M. Galopim de Carvalho

6 comentários:

  1. Há, de facto, um esgotamento emocional nos professores.
    Já pouco importa. Quem ergue muros, que os salte!
    A única coisa de que me arrependo verdadeiramente na vida foi ter escolhido ser professora. Escolha infeliz.
    Não é um lamento. Antes uma sensação de perda do meu precioso tempo que poderia ter sido gasto a fazer um trabalho mais fácil, melhor remunerado e melhor reconhecido, estudando menos.
    Não valeu a pena. Um íssimo cansaço e uma desmotivação descendente e estranhamente inexpressiva.
    Que se lixe!

    ResponderEliminar
  2. A professora anónima de 6 de julho tirou-me as palavras da boca, a mim, que também sou professor anónimo.
    O ensino em Portugal foi chão que já deu uvas! Agora o que está em causa são nove anos, quatro meses e dois dias! As boas intenções do Professor Galopim, aprovadas com distinção e louvor por todo o professorado civicamente empenhado, vão de encontro à carapaça da indiferença do Doutor Tiago Brandão Rodrigues que, dessa forma, impede qualquer mudança no rumo suicida seguido pelo sistema de ensino em Portugal.
    Porque é que a Maria de Lurdes Rodrigues retirou o benefício de duas horas de redução no horário a quem lecionava no ensino secundário?
    Porque, nos tempos atuais, é igual ensinar a função exponencial, a lei da conservação do momento linear, a precessão dos equinócios, a literatura surrealista, a história do capuchinho vermelho,... ou nada!
    Essa ministra, de má memória, dizia que tanto fazia ensinar como dizer umas graças aos alunos, desde que se verificasse uma melhoria nas aprendizagens!
    Nessa altura, os sindicatos aceitaram estas bacoradas no estatuto da carreira docente unificada!

    ResponderEliminar
  3. É por isso que devia acabar-se com a falsa oposição dos sindicatos e criar-se um Ordem para os Docentes, uma Ordem com poderes a sério, e não de faz-de-conta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apoiado!
      A grande vitória sindical do comunista Mário Nogueira foi equiparar os educadores de infância e professores primários a professores do liceu, os antigos "doutores".
      Agora, está na hora de criar uma ordem que defenda os professores do ensino secundário oriundos de universidades devidamente credenciadas pelo Estado para formar professores desse nível de ensino. Os outros que se organizem da melhor forma que entendam. Profissionais diferentes devem ser representados por instituições diferentes!

      Eliminar
  4. A palavra Ordem, por si só, já dá muito que pensar. O carácter fortemente corporativo e exclusivista, associado à obrigatoriedade de inscrição/pagamento, em troca de, simplesmente, "pertencer para poder exercer", tem um cheiro a máfia, que tresanda. Já ninguém acredita em ordens, sindicatos, partidos, igrejas, cientologias...É necessário colocar as «novas» engenharias e arquitecturas ao serviço da organização política e social. O nosso mundo, o nosso tempo está demasiado velho e vai cair de podre, ou, por outra, está a renascer, como sempre.

    ResponderEliminar
  5. Estatisticamente, a degradação é um fenómeno que só deve encontrar paralelo no fenómeno da regeneração; e vice-versa. Do ponto de vista moral, o caso muda de figura e aí não há estatística que nos valha.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.