terça-feira, 24 de janeiro de 2017

DIÁRIO DE ESCRITA

Novo texto recebido do psiquiatra Nuno Pereira:


    Só se aprende a escrever bem, lendo... e escrevendo. O treino regular é fundamental para o domínio da escrita. Ora, os estudantes raramente fazem de modo autónomo uma composição escrita em casa, o que quase só acontece nos testes de avaliação da disciplina de Português, já que nas aulas contam com o apoio do professor ou praticam em grupo. Um diário manuscrito, que reúna relatos íntimos com outros géneros textuais, pode ser das melhores maneiras de aprimorar a técnica de escrever, ao desenvolver uma rotina que aproveita não só as virtudes dum diário pessoal como as vantagens dum caderno de exercícios.

    A narrativa autobiográfica constitui hábito antigo e universal, em que geralmente a análise de experiências amargas alivia a dor e a recordação de experiências maravilhosas reforça o prazer. Para além da sua característica confessional, o diário pode desempenhar papel motivador, ajudando a clarificar e a atingir objetivos pessoais. Muitos alunos não conhecem os seus objetivos. Citando Séneca, não há vento favorável para quem não sabe aonde quer ir. De facto, um jovem sem um sonho ou projeto de vida está desmotivado, pelo que pode ser inspirador definir os objetivos principais em termos positivos (isto é, o que quer), desdobrá-los em metas de curto prazo, listar os recursos pessoais (isto é, o que tem e pode controlar) e ir registando o grau de cumprimento das etapas programadas em direção ao destino determinado.

    No caderno para exercitar a escrita de textos literários e não literários, o estudante em dias sucessivos relata um acontecimento, descreve algo ou alguém, constrói um diálogo, expõe e explica um facto, justifica uma opinião, conta uma história, representa um drama ou compõe um poema. Facilita a produção de textos reconhecer simplesmente que a maioria obedece a uma estrutura comum de apresentação, desenvolvimento e conclusão. Se a competência, por exemplo, em Matemática exige prática constante de resolução de problemas e de treino de exercícios, por que razão em Português não se estabelece uma rotina diária, dado o evidente benefício para a vida académica e profissional de saber expressar bem o pensamento?


    Em suma, junta-se o útil ao agradável, criando um diário de escrita que intercala páginas de reflexão pessoal de carácter íntimo (apenas para serem lidas pelo próprio autor) com curtos textos de outros géneros (que podem ser submetidos à avaliação do professor). Muito em particular, no 3º ciclo de escolaridade, período da primeira grande decisão vocacional, o professor de Português deve entusiasmar o aluno a cultivar em casa a escrita autónoma, que por sua vez estimula a leitura.
                                                                               

                                                                        Nuno Pereira (psiquiatra)

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.