sexta-feira, 3 de julho de 2015

Exercício profissional e publicidade

Vale muito a pena ler um artigo do Público de hoje cujo título é Ser discreto, ser ético, assinado por Rosalvo Almeida, médido neurologista aposentado. Começa assim:
Andamos na rua. Fora de portas. Vemos cartazes nas paragens dos transportes públicos e não queremos acreditar. Médicos em fotografias grandes que fazem propaganda a um hospital (...) alguém está a esquecer que o Código Deontológico da Ordem dos Médicos, que a todos obriga, estabelece (no artigo 11.º) que "na divulgação da sua atividade o médico deve abster-se de propaganda e de autopromoção" e proíbe (no artigo 12.º), por ser "particularmente grave [,] a divulgação de informação suscetível de ser considerada como garantia de resultados ou que possa ser considerada publicidade enganosa".
Quem diz médicos, diz professores. Tenho percebido, com surpresa, a tendência crescente de pessoas apresentadas como professores aparecerem em anúncios de escolas privadas ou de editoras de livros escolares. associadas a promessas maravilhosas de aprendizagem. O mesmo acontece com crianças ou adolescentes que são apresentadas como alunos.

Se este tipo de publicidade funciona em termos sociais - e, certamente, funciona -, isso significa que os princípios deontológicos básicos de certas profissões não são conhecidos ou reconhecidos.

Alguma coisa as Ordens profissionais deveriam fazer nesta matéria que está bem à vista de todos.

2 comentários:

  1. https://twitter.com/apaulagils/status/618574072243441664

    ResponderEliminar
  2. https://twitter.com/apaulagils/status/618577662479630336

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.