sexta-feira, 31 de julho de 2015

A DEMOGRAFIA E O PAÍS


Informação recebida da Gradiva:

- "A Demografia e o País" faz uma análise séria dos dados demográficos, cruzando-os com indicadores económicos A Gradiva acaba de publicar "A Demografia e o País", um livro de leitura essencial para conhecer os possíveis cenários de evolução populacional em Portugal e o que significam os valores demográficos estimados.

"A Demografia e o País - Previsões Cristalinas Sem Bola de Cristal" é um livro que se baseia numa séria análise de indicadores, com discriminação por NUTS III, e apresenta um conjunto de cenários possíveis de evolução demográfica para Portugal, cruzando informação do foro da demografia, mas também da área económica. Definindo um modelo de análise ao mesmo tempo consistente e abrangente, os autores apresentam uma obra de leitura essencial para quem necessita de tomar decisões fundamentadas, em que as previsões de evolução demográfica são relevantes. Além disso, é útil para todos os que pretendem perceber o que de facto está em causa quanto ao futuro da demografia. Para os autores, parte das previsões catastróficas que são veiculadas associadas a temas demográficos não têm correspondência nos números. E, por isso, é relevante conhecê-los, para uma análise fundamentada.

 • A Segurança Social vai colapsar?
 • Quantos seremos daqui a 30 anos?
• Nessa altura, Portugal terá só idosos?
• O aumento da fecundidade resolve os nossos problemas?

Questões como estas interessam a todos. Este é um livro que fornece respostas sérias, usando uma linguagem acessível. "A Demografia e o País" aborda estes temas, permitindo antecipar cenários futuros e, com isso, preparar soluções adequadas. A utilização de informação fundamentada para tomar decisões é de importância inegável. No entanto, a prática nem sempre corporiza a boa teoria. Em Portugal a oferta de dados demográficos tem sido relativamente escassa. Esta obra vem trazer um novo olhar sobre a análise da demografia no nosso país, visando aumentar a oferta e estimular a procura de informação, para suscitar perguntas e encontrar respostas.

No livro, pode ler-se: «Depois de uma série de conclusões com um cunho não muito otimista, acabamos com uma mensagem positiva. A morte anunciada do sistema público de Segurança Social não é minimamente confirmada pelos nossos números.»

 SOBRE OS AUTORES

 Eduardo Anselmo Castro

 Professor no Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território da Universidade de Aveiro, especialista em técnicas de análise de apoio à informação e políticas de inovação e desenvolvimento regional. Coordena a unidade de investigação em Governança, Competitividade e Políticas Públicas (GOVCOPP).

 José Manuel Martins

 Professor no Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território da Universidade de Aveiro, especialista em técnicas de análise de dados e economia e gestão do ambiente. Entre outras funções públicas exercidas, foi vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional da Região Centro (CCDRC).

 Carlos Jorge Silva

 Investigador no Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território da Universidade de Aveiro, especialista em demografia e avaliação de políticas públicas.

A Demografia e o País
Previsões  Cristalinas sem Bola de Cristal
Eduardo Anselmo Castro,  José Manuel Martins, Carlos Jorge Silva
Colecção: «Trajectos Portugueses»
224 pp.
Ano de edição: 2015
ISBN: 978-989-616-656-4

€ 14,50

1 comentário:

  1. Um livro que gostaria de ler. Como eu, outras pessoas também gostariam de o ler.
    Porém, aqueles que já foram o público de muitas destas obras estão agora com horários de trabalho e condições de trabalho indigentes, i.e. sem tempo e sem dinheiro. Uma parte deste público de outrora, por exemplo, os professores do ensino secundário, também aconselhava estas publicações aos seus alunos do ensino secundário.

    E agora? Qual a importância que a componente científica tem actualmente nas escolas secundárias?

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.