quinta-feira, 23 de abril de 2015

NO DIA MUNDIAL DO LIVRO E DOS DIREITOS DE AUTOR

Alfabetos, do italiano Claudio Magri, uma colectânea de textos, grande parte deles publicados no jornal Corriere della Sera, é uma reflexão sobre a literatura, sobre os livros mais marcantes. 
Lê-se na contracapa "... é uma viagem pela literatura, através dos livros, uma de entre milhares de viagens possíveis à descoberta dos livros, dos seus autores, e de nós próprios. Os livros que nos formam, os que nos ferem, os que nos curam, os que permitem que conheçamos o mundo e organizemos a visão que dele temos."

Ao longo de 450 páginas encontramos textos variados, onde o autor fala dos livros que marcaram a sua vida, analisa personagens, relaciona autores e obras, de várias épocas e de vários quadrantes.

Logo no primeiro texto afirma:

"Deveria, neste ponto, falar dos livros que me deixaram uma marca absoluta, que se tornaram o próprio modo de sentir o mundo e a relação entre a vida e a verdade, que ora se unem como os dois lados da mesma moeda, ora parecem contrapor-se: a Ilíada, a Odisseia — o livro dos livros, no qual já está tudo, as sereias, mas também as personagens svevianas que escamoteiam obliquamente a sua inépcia ao escutar e enfrentar o seu canto —, os trágicos gregos, Shakespeare que revela o âmago extremo da condição humana, os discursos de Buda e as parábolas de Zhuangzi; acima de todos, estavam o Antigo e o Novo Testamento, depois dos quais não se teme mais nenhum príncipe deste mundo e se compreende que a pedra mais vil, aquela desprezada pelos construtores, é a verdadeira pedra angular."

Lê-se mais adiante:

" Um livro, dizia Kafka, deve atingir-nos como um punho, deixar uma marca profunda, mudar — ainda que impercetivelmente — a vida do leitor."

Claudio Magris, Alfabetos, Quetzal, 2013

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.