domingo, 10 de dezembro de 2023

ROBESPIERRE

Robespierre era incorrupto,
detestava sangue e violência,
mas foi assassino ininterrupto,
porque odiava a divergência.

Mal comia, não bebia, não fumava
e corpo de mulher não conhecia.
Quimicamente puro, trabalhava,
por um ideal que enlouquecia.

A liberdade era um farol,
que só ele julgava que entendia.
Bicho caseiro que odiava o sol,

a virtude que nele florescia
era bem mais letal do que veneno,
oriundo daquele extraterreno.

Eugénio Lisboa

Sem comentários:

"Nós, professores, já não lemos. Nem sequer estudamos."

O artigo que aqui traduzimos, assinado por Diego Garrocho, não traz nada de novo, mas o que traz é importante, fundamental, precisa de ser r...