domingo, 3 de dezembro de 2023

O SENHOR ANTÓNIO

Texto de António Galopim de Carvalho 
 
 O senhor António sou eu, nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), no Centro de Saúde do meu bairro e nos privados (também eles, hoje, formigueiros de gente), todas as vezes (e são tantas) que a idade me obrigou e obriga a recorrer aos serviços que ali me prestam. 
 
Senhor António, é assim que sou chamado e tratado. Senhor António chega perfeitamente, dito com simplicidade, umas vezes mais, outras vezes menos atenciosamente, mas, tudo bem. 
 
O tratamento da lesão ou da enfermidade é o que mais importa. E é de justiça dizer que é sempre bom, algumas vezes, muito bom, A exposição do corpo às mais diversas enfermidades não olha à condição sóciocultural de quem necessita recorrer a uma destas, perdoe-se-me a expressão, “oficinas especializadas na reparação da saúde de pessoas”. 
 
É para reparações deste tipo, que os mais abastados recorrem às clínicas privadas, e que os mais necessitados esperam horas nas urgências dos hospitais do SNS. Mas diga-se, em abono da verdade, que, uma vez lá dentro, nada lhes falta. A partir do momento em que se despe a roupa pessoal e se veste aquela “camisa” de hospital, só há senhores Antónios. 
 
E eu sou testemunha disso, por umas quatro vezes ter estado internado em outros tantos hospitais, quer do SNS, quer do privado. Todos sabemos que, via de regra, o doente é uma pessoa fragilizada física e psicologicamente. Precisa que lhe cuidem do corpo e, quanto a isso, não há nada a dizer, mas também precisa (tantas vezes muito) de amparo e conforto para a alma. 
 
Tendo em conta apenas a minha experiência pessoal, constato que, com as pouquíssimas excepções, que sempre as há, os médicos e as médicas que me têm assistido, trataram-me, não como uma pessoa inteira, de corpo e alma, a necessitar de ajuda, mas sim e apenas como um corpo material, a pedir tratamento. 
 
Executam, e bem, essa a parte que lhes diz respeito, como profissionais, tal como um amolador de rua, amola uma faca ou uma tesoura. Pouco ou nada lhes interesso como pessoa. Mão têm tempo ou disponibilidade para mais. Para esses, estou em crer que nem chego a ser um senhor António. 
 
Aquando dos internamentos (continuo a falar da minha experiência pessoal), diz a enfermeira:
- Senhor António, o Senhor Doutor já vem falar consigo.

As mais das vezes, a gente espera, espera, e as horas custam a passar. Por fim, como a luz por que almejamos, lá nos aparece o clínico de serviço nesse dia. Olha para algo que está escrito numa informação pendurada aos pés da cama, pergunta ou diz qualquer coisa e, se for preciso, apalpa, ausculta, manda abrir a boca e mostrar a língua e, dois ou três minutos depois, desaparece e nunca mais ninguém o vê.

E é assim todos os dias. É verdade que tem vários doentes a assistir e que não pode dedicar muito tempo a cada um, mas podia, perfeitamente, passar duas, três ou mais vezes por todos eles, dar-lhes uma palavra ou um simples sinal de encorajamento, tão importante para quem sofre e julga ver, no médico, o conforto para o seu sofrimento ou, mesmo, a esperança para a sua salvação.

Por duas ou três vezes que perguntei a um médico, numa das várias especialidades a que recorro, sobre esta dor aqui ou sobre aquele incómodo ali, obtive por resposta clara e imediata, algo como:
- Marque consulta para o colega da especialidade.

Longe de mim dizer que o doente é mal-tratado. Pelo contrário, já o disse, nada lhe falta, mas apenas, insisto em dizer, no que se refere ao tratamento do corpo.

A versão de 2017, do juramento médico, creio que, actualmente usada em Portugal, diz, num dos seus preceitos: «a saúde e o bem-estar do meu doente serão as minhas primeiras preocupações”». As do corpo, tenho a certeza que sim, mas as do bem-estar emocional deixam muito a desejar. O acamado na enfermaria ou, ainda pior, no quarto individual, além dos males físicos, sofre horas de doloroso isolamento.

No seu trabalho diário, os enfermeiros e enfermeiras, assim como os e as auxiliares cumprem tudo aquilo que lhes compete, uns mais outros menos carinhosamente, mas cumprem e bem. É justo dizer que são apenas estes e estas que lidam connosco e se aproximam de nós, não tantas vezes quantas desejamos, mas, diga-se, as necessárias. São, sobretudo, elas, pela sua própria natureza, que nos prestam algum refrigério. O desconforto de uma noite inteira, no silêncio e semiobscuridade de uma enfermaria ou de um quarto, é sempre bruscamente interrompido, pela manhã, quando se abrem as luzes e se ouvem as suas vozes sonoras, quase sempre impessoais, mas sempre encorajadoras.
- Bom dia Senhor António.

Por agora estou muito bem de saúde, ao nível a que se pode estar na minha idade, graças, repito, ao facto de o tratamento das minhas enfermidades ter sido sempre bom, algumas vezes, muito bom. E aqui, devo acrescentar, graças, também, aos prodigiosos avanços científicos e tecnológicos na área da saúde, sem esquecer os da farmacêutica.

E é por isso que estou vivo e que pude observar por dentro, nestes últimos cerca de vinte anos, uma muito pequena amostragem dos nossos serviços de saúde (5 hospitais públicos, 2 centros de saúde e 3 hospitais privados), aproveitando para acrescentar que, ainda assim, uma vez dentro, prefiro o serviço dos hospitais do SNS.

A mercantilização do acto médico é, em teoria, reprovada pelo Código de Ética Médica, mas, na prática, ela existe nos hospitais privados, com administrações e accionistas naturalmente interessados no lucro. 
 
Nota: Talvez exagere esta minha apreciação de alguns elementos da classe médica, mas a verdade é que, por infortúnio meu, ela reflecte um sentimento bem interiorizado das muitas vezes que senti o que acabo de relatar, uma delas, mesmo, de declarada deselegância (num hospital privado, diga-se), para usar uma palavra mais suave. 
 
António Galopim de Carvalho

5 comentários:

Anónimo disse...

"A cada um segundo as suas necessidades; de cada um de acordo com as suas possibilidades" - Karl Marx (mais ou menos, a frase e o repetidor da mesma).
As necessidades são infindáveis; as capacidades são limitadas e escassas.
O acesso aos recursos foi/é/será uma questão de privilégio!
O Sr António parece ser um privilegiado. (Na comunidade, o privilégio é relativo.)
(Anónimo septuagenário, frequentador do SNS , do "privado", e de outras instituições num país do faz-de-conta.)

Anónimo disse...

"De cada um, de acordo com suas habilidades; a cada um, de acordo com suas necessidades." Karl Marx

Anónimo disse...

O liberalismo proclama a prioridade dos valores e direitos privados sobre a sociedade.

É o que temos e é transversal a toda a sociedade e por isso não escapa a saúde e ao SNS.

Impressiona a visão de Álvaro Cunhal, no combate ao liberalismo, por uma sociedade socialista, ao afirmar:

"A entrega da terra a quem a trabalha significa a própria vida."

Caríssimo Professor Galopim de Carvalho, sem dúvida que a própria vida necessita do espírito humano e fraterno, que existiu entre os trabalhadores nos campos do Alentejo, foi algo maravilhoso e único na vida coletiva neste país.

O significado da vida devia iniciar-se por aí, a terra a quem a trabalha.

Nota: Hoje levantam-se as vozes, daqueles que reclamam para si próprios a permissividade, a vontade de querer festejar o 25 de Novembro, tal é o sentimento e o poder de influenciar mentes e multiplicar o rebanho.

Anõnimo #1 disse...

Tenho grande experiência de hospitais, sorte madrasta. Sete cirurgias, das quais duas no SNS. Ainda bem que há SNS. Ainda bem que há hospitais privados, postos de enfermagem privados, clínicas de hemodiálise privadas.Não partilho nada a opinião deste post: fui bem, e mal, atendido no Hospital público, com bons e maus médicos - muitois deles, bons e maus, passaram depois para o privado. Fui bem e mal atendido no privado, portanto. Pagar bem não é sinónimo de ser bem servido; mas sem dúvida o privado tem melhores instalações, mais espaçosas e agradáveis, luminosas e decoradas, muitos e excelentes WCs - ao contrário dos públicos, poucos e vergonhosos - boas cafetarias, e não há filas de espera no atendimento. Pagam-se as instalações, e é justo, foram caras. A qualidade médica não se mede pelo que se paga, não é uma coisa que se compra e vende, é uma qualidade humana. O meu oftalmologista / cirurgião do SMS , chefe do serviço, era uma besta. mudou para o privado, besta há de continuar.
Além das instalações e da rapidez nas marcações, há outras coisas em que o privado ganha de longe. Na facilidade de acesso: estão quase sempre localizados em sítio fácil quer para transporte, quer para ir de carro. Isso também se paga. Ganha no pessoal auxiliar, enfermeiros, paramédicos, etc: são muitos mais, uma multidão, não nos deixam sentir sós e abandonados como estive horas no SNS.
Da última vez que recorri a um hospital privado para uma colonoscopia, estive num espaço privativo de cortinados fechados , numa cama impecável com lençóis impecáveis e tive uma manta para não ter frio, anestesista e enfermeiros à minha volta sempre sorridentes e brincalhóes, à saída um chá e bolachinhas que me ofereceram repetir (!) quantas quisesse. Numa intervenção que fiz de urgência no SNS fui posto num corredor com gente sempre a passar, escuro e frio, casa de banho era uma para todos com espera, fria e incómoda, fui forçado violentamente sem contar e sem anestesia à introdução de um tubo pelo nariz, e coisas piores que nem conto. Os médicos eram competentes talvez, resolveram a minha situação, mas o ambiente era completamente hostil. É isto que distingue os dois sistemas: um ambiente amigável, ou um ambiente hostil.

Anónimo disse...

Parabéns: um bom testemunho.

"Nós, professores, já não lemos. Nem sequer estudamos."

O artigo que aqui traduzimos, assinado por Diego Garrocho, não traz nada de novo, mas o que traz é importante, fundamental, precisa de ser r...