sábado, 1 de janeiro de 2022

FIM DE ANO

De Eugénio Lisboa, neste primeiro dia do ano.

Um fim de ano que é um fim de mundo,
Nunca sonhara vir a viver isto!
Muito mundo meu fora já ao fundo,
Segundo um plano há muito entrevisto. 

Se viver é sobretudo perder,
Se viver cava em torno um deserto,
Se vamos acabar sem perceber
O que, em nós, está errado ou certo,

Que milagre foi este, sem sentido?
Foi então vã a nossa aventura?
O que ganhámos foi tudo perdido?

O que sabemos é só noite escura?
Descobrir a luz foi então um logro?
O amor, o sol, a vida, um malogro? 

Eugénio Lisboa
31.12.2021

1 comentário:

  1. Por tudo e por nada
    Devia haver Deus
    Mas não
    Não existe
    E isso chega a ser
    Muito mais triste
    Do que saber
    Que Deus não pode ser
    O que é.
    -Carlos Ricardo Soares-

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

Ainda sobre o moderno e o clássico

Na continuação do texto A constante luta entre clássico e moderno João Boavida É isso mesmo, volto ao tema, do moderno e do clássico.  Se um...