sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

À LA RECHERCHE DU TEMPS PERDU

 Novo poema de Eugénio Lisboa:

 

Amores, amizades, descobertas,

a terra, o mar, o sol, as lindas pretas,

o mundo todo de portas abertas,

a leitura e o sondar doces gretas…

 

A promessa de enormes promessas,

o mar a sugerir mundos remotos,

grandes saberes e aventuras possessas,

os mundos fruídos e os ignotos!

 

Que grande era o mundo que se via

e maior o que ainda não havia!

Viver sabia a novo e era novo,

 

como a carícia e o beijo que rondava.

A todo o momento se acrescentava

ao antigo, um desejado renovo!


Eugénio Lisboa

 

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

A Prima Bette de Honoré de Balzac

[A Prima Bette é o último romance de Honoré de Balzac. Aproveitando que tinha começado a ler uma versão muito elegante do livro publicada re...