sábado, 16 de outubro de 2021

UM ORÇAMENTO PÍFIO

Meu artigo de opinião publicado na passada quinta-feira no Público:

Os números não enganam. O orçamento de estado para a Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de 2022 fica bem aquém do que se esperaria de um governo que anda com a ciência na boca. Relativamente ao orçamento do ano passado  a subida é apenas de 4,5%, de 2990 para 3125 milhões de euros. As escolas de ensino superior e a Fundação para a Ciência  e Tecnologia - FCT, a agência de financiamento do nosso sistema científico, estão há muito tempo subfinanciadas. Para um investigador, ainda que excelente, ter um projecto de investigação aprovado pela FCT é quase tão difícil como ganhar a lotaria.

Tudo isto se passa num país, o nosso, em que a taxa de investimento em ciência e tecnologia está muito abaixo da média europeia (basta ir à Pordata para ver que em Portugal foi de 1,4%, em 2019 enquanto a média europeia foi de 2,2%). Num país que baixou recentemente em indicadores de inovação internacionais. E num país em que o primeiro-ministro anda a prometer um foguetório de “bazuca”, que, para a ciência e a tecnologia, não passa de pólvora seca.

Não há dinheiro para todas as necessidades, dirá o chefe do governo. Sim, mas há sectores que estão mais e outros menos bem defendidos à mesa do orçamento. No sector em causa, pior do que não haver dinheiro, é não haver uma ideia clara e definida sobre o nosso desenvolvimento e o papel da ciência nele. Não há uma fórmula decente de financiamento das instituições do ensino superior, não há oportunidades que atraiam os jovens mais qualificados (alguns dos quais querem fazer investigação), não há suficiente ligação ao tecido produtivo.

O italiano Giorgio Parisi, prémio Nobel da Física deste ano, dirige desde 2016 o movimento “Salvemos a Ciência Italiana” que visa elevar o financiamento da ciência no seu país. Aqui estamos muito longe de poder ter prémios Nobel em áreas da ciência. Mas poder-se-ia criar um movimento semelhante.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.