sexta-feira, 29 de outubro de 2021

A FIGUEIRA E A CIÊNCIA

Do jornal O FIGUIRENSE:

 A Figueira da Foz e a ciência Várias vezes estive na Figueira da Foz para reuniões científicas. Lembro-me de ter estado em 2000 na 12.ª Conferência Nacional de Física, na qual a estrela foi Leon Lederman, Nobel da Física de 1988 (foi ele que deu o nome de “partícula de Deus” ao bosão de Higgs). Coorganizei nessa cidade a 1.ª Escola Internacional em Física Computacional, que aí teve lugar em 1999. E em várias ocasiões fui convidado a fazer palestras no Casino da Figueira

Confesso que nunca percebi por que razão a Universidade de Coimbra não tem uma delegação na Figueita da Foz (tem uma em Alcobaça), que organizasse conferências e escolas de Verão, para além de dinamizar em permanência actividade local de investigação. Ressalvando o excelente trabalho que tem sido feito pelo instituto MARE de Coimbra na ilha da Morraceira na foz do Mondego, parece-me que muito há a fazer na investigação do mar nesse sítio privilegiado da Natureza onde não só o rio se junta ao mar como a serra da Boa Viagem cai sobre a água, num sítio que, há mais de 150 milhões de anos, foi povoado por dinossauros. O mar podia ser uma marca forte da ciência portuguesa e a Figueira da Foz um dos sítios essenciais dessa investigação. A Figueira da Foz é não só um viveiro das letras e artes, como o é sem dúvida - basta lembrar nomes como David de Souza, Eduardo Nery, João César Monteiro e Afonso Cruz - também das ciências e tecnologias – lembro nomes como o arqueólogo António dos Santos Rocha, o filósofo e historiador de ciência Joaquim de Carvalho, o botânico Luís Wittnich Carrisso e o engenheiro civil Manuel Rocha. 

Dos nomes dos cientistas figuerenses em plena actividade, permito-me, entre muitos outros, destacar, porque os conheço pessoalmente, Sílvia Curado, geneticista a trabalhar em Nova Iorque, e Rui Curado da Silva, físico de altas energias especialista em instrumentação espacial. A Figueira tem de aspirar a ter um papel da ciência do que simplesmente ser um berço de cientistas. Pode e deve ser uma cidade de ciência.


 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

A História dos Paladares ou Saberes e Sabores

  Meu artigo mais recente no As Artes entre as Letras: Saiu no final de 2021, do prelo da Prime Books, o segundo volume da monumental tril...