quinta-feira, 5 de abril de 2018

EUGÉNIO LISBOA E O PRÉMIO DE CARREIRA ATRIBUÍDO PELA FUNDAÇÃO INÊS DE CASTRO


Foi publicada hoje, no “Diário de Coimbra”, uma carta “Fala o leitor”, subscrita por Armando Figo com o título “Sobre a atribuição dos prémios da Fundação Inês de Castro”, reportando-se ao ensaísta Eugénio Lisboa.
Não podia o” De Rerum Natura” deixar de saudar esta homenagem a uma personalidade que muito tem enriquecido este blogue com a publicação de “post’s seus. Transcreve-se o referido texto:

“Senhor Director, 
Foi recentemente galardoado o ensaísta Eugénio Lisboa com um prémio carreira, o Tributo de consagração Fundação Inês de Castro  2017. 
Foi justa as atribuição deste prémio. Primeiro, porque se trata de um ensaísta de mérito com vasta obra publicada. Segundo, porque este prémio serve para  o mundo da cultura lhe conhecer o verdadeiro perfil de homem da cultura, que desde o princípio dos  anos 50 do século passado encetou um estudo profícuo sobre o peta José Régio, quando foi colocado com aspirante a oficial miliciano em Portalegre, onde o poeta era professor liceal, e onde aí cimentaram uma amizade duradoura. 
Sendo esse prémio atribuído pela Fundação Inês de Castro,  instituição de Coimbra, parece-me existir  uma estreita conexão entre a atribuição deste galardão e a Cidade do Mondego, porquanto o premiado tem algumas obras de vulto sobre Régio (destaco uma: ‘Vida e obra de José Régio’), onde teve de se debruçar profundamente sobre esta cidade, onde estudou nos anos 20 do século passado. Aconselho vivamente a leitura desta obra. 
Ao premiado, que já conta 87 anos de idade, daqui lhe endereço os meus parabéns e faço votos sinceros  que não seja o derradeiro prémio.”
O “De Rerum Natura” associa-se a esta homenagem, assim como a muitas outras que lhe têm sido feitas e lhe continuarão a ser prestadas!

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.