sábado, 29 de julho de 2017

ESPAÇO E TEMPO DE ESTUDO


Novo post do psiquiatra Nuno Pereira:

    O local e o horário constituem os pilares fundamentais do estudo pós-letivo. De facto, são condições básicas para o êxito não só dispor duma sala sem distrações e apenas com os materiais necessários, como também ter um horário que divida de modo equilibrado o tempo de trabalho (aulas mais estudo), de lazer e de sono.

    Sabe-se que as infraestruturas escolares influenciam o processo de aprendizagem, mas frequentemente negligencia-se o ambiente físico em casa favorecedor da concentração no estudo. Por sua vez, o horário semanal permite focar o objeto do estudo, pelo que o registo do nome das disciplinas programadas para estudar em cada dia aumenta a probabilidade da execução. Assim, associar um meio tranquilo e arrumado à focalização da atenção num conteúdo específico induz um estado mental propício a uma aprendizagem ótima.

    Com particular incidência nos primeiros anos de escolaridade, os pais ou encarregados de educação são responsáveis por garantir o espaço e controlar o tempo para estudar após as aulas, mas não lhes cabe desempenhar o papel de professores nem estes se podem substituir àqueles. É certo que arranjar um local para os filhos e velar pelo cumprimento do seu horário estão muitas vezes - mas nem sempre - dependentes da capacidade económica e do planeamento familiar, o que à partida cria uma desigualdade entre os alunos. Porém, a fórmula acabada para o desastre é esperar que vençam sem organização e rotina. Compete outrossim aos diretores de turma, como mediadores entre professores, alunos e encarregados de educação, envidar esforços para o envolvimento destes últimos, insistindo na importância dum espaço organizado e ajudando a elaborar um horário que inclua, para além do tempo letivo (as explicações contam como aulas), o tempo de estudo autónomo, de lazer e de sono.

    As circunstâncias de espaço e tempo, estruturantes duma vida académica bem sucedida, devem ser, pois, uma preocupação prioritária dos alunos e, em especial no ensino básico, também dos pais ou encarregados de educação e diretores de turma. A cada um as suas responsabilidades.
              

                                                                     Nuno Pereira (psiquiatra)

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.