segunda-feira, 23 de março de 2015

TODAS AS COISAS VISÍVEIS E INVISÍVEIS


Recebi de Jerónimo Nogueira, deficiente visual, esta interessantíssima recolha poética sobre a impossibilidade de visão. O tema é muito oportuno neste Ano Internacional da Luz.  A poesia é uma forma de acesso à luz. Quando celebramos a luz devemos lembrar-nos de quem não a pode ver (o quadro "Rapariga Cega" é de Millais). 

TODAS AS COISAS VISÍVEIS E INVISÍVEIS
(tópicos poéticos para a discussão de um problema)

  
"Não basta abrir a janela
Para ver os campos e o rio.
Não é bastante não ser cego
Para ver as árvores e as flores.
É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.
Há só cada um de nós, como uma cave.
Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.
(…)
Eu nunca passo para além da realidade imediata.
Para além da realidade imediata não há nada.
(…)
Ter a certeza é não estar vendo.
Depois de amanhã não há.
O que há é isto:
Um céu de azul, um pouco baço, umas nuvens brancas no horizonte,
Com um retoque de sujo em baixo como se viesse negro depois.
Isto e o que hoje é,
E, como hoje por enquanto é tudo, isto é tudo.
Quem sabe se eu estarei morto depois de amanhã?
Se eu estiver morto depois de amanhã, a trovoada de depois de amanhã
Será outra trovoada do que seria se eu não tivesse morrido.
Bem sei que a trovoada não cai da minha vista,
Mas se eu não estiver no mundo,
O mundo será diferente –
Haverá eu a menos –
E a trovoada cairá num mundo diferente e não será a mesma trovoada"

                                        Alberto Caeiro em“ Poemas inconjuntos”


São Audazes … Porquê? Porque são cegos!
 Hão-de gastar os dentes nessa lida;
 Hão de gastar, depois, ainda a cabeça;
 Hão-de gastar por fim o corpo todo!

Antero Quental em “Odes Modernas”, P. 96


"Oh! A vida é um abismo! Mas fecundo!
Mas imenso! Tem luz – e luz que cegue."

Idem p. 56
                    
  
"Examino como quem cisma. Vejo como quem pensa."

Fernando Pessoa, em “O Livro do Desassossego“ por Bernardo Soares
 Obra em Prosa, Vol. I Circulo de Leitores, p. 72


"Ver é talvez sonhar, mas se lhe chamamos ver em vez de lhe chamarmos sonhar, é que lhe distinguimos sonhar de ver"

Idem, p. 222


"A Vida é que o que fazemos dela. As viagens são os viajantes.
O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos."

Idem, p. 72

"Quem me tapa os olhos não me cega, porém impede-me de ver."

Idem p. 259

"Dá-me a tua mão! …que eu saiba da tua mão …que as tuas mãos são as minhas! …que sejam outras mãos como as minhas…as minhas mãos não me bastam…faltam-me outras mãos como as minhas!”

Almada Negreiros em  “Antes de Começar”, Obra completa”, Vol. III, Imprensa Nacional, p. 38

"Ora a maior ambição do mundo é tirar o homem das trevas para a claridade; e é a maior ambição a portadora do maior sofrimento."

“Ver”, p. 235

"Homero é cego e foi ele quem descobriu a vida interior do homem projectando depois para fora do homem por sobre o mundo a vida interior o homem para que finalmente se visse."

Idem p. 237

"É cego, enfim, porque é cego tudo quanto, a bem ou a ou a mal, se mete de permeio entre a vida e o homem."

Idem p, 234-235


"Aqui, sei onde sangra o lábio oculto.
De quem me vê, até de olhos fechados!
E, como os cegos, reconheço um vulto,
Pelo roçar dos dedos namorados…"

Pedro Homem de Melo em “Ao Porto”, Colectânea de poesia sobre o Porto, p. 129

  
"Cada vez mais vivo e cada vez mais cego através dos anos, é um mistério que nunca pude decifrar.
Penso nele e lembro-me logo daquelas monstruosidades anatómicas, diante das quais a razão, cheia de pasmo, pergunta em que fonte da vida  bebem as suas raízes."

Miguel Torga,  Diário I “, p. 162


"E não me resigno intimamente a essa entrega incondicional, não por apego ao mundo, de que me vou sentindo excluído, mas pela simples dignidade de me não conformar. A dizer não à fatalidade é que eu tenho a ilusão de vencer."

“Diário XVI”, p. 106


"Vagos e rodeados de abismos caminhamos
Indefinidamente sem sair de onde estamos.
Nada se vê. Só se ouve rangente a esc"

Natália Correia em  “ Poesia Completa” p. 541


"Ouvindo o teu sossego
A pouco e pouco encher
Como os olhos do cego
A luz do íntimo ver."

Vitorino Nemésio“ Outra Lição”,Antologia Poética, p. 100


"Rejeitemos decididamente esse radicalismo indecente que nos exorta dar à luz o que é da luz e às trevas o que é das trevas. Por que as trevas estão na luz como o Yin está no Yang; e a luz está nas trevas como o Yang está no Yin."

Natália Correia, “Poesia Completa” p. 505


"Gosto da noite imensa, triste, preta,
Como esta estranha e doida borboleta.
Que eu sinto sempre a voltejar em mim!..."

 Florbela Espanca em “Sonetos” P. 63

"Trago no olhar visões extraordinárias.
De coisas que abracei de olhos fechados…"

Idem, p.203


"No dia seguinte à leitura
Seus olhos desembocam em outras visões."

Mia Couto em “Terra Sonâmbula”, p. 69

"Cego quem é quem só abre os olhos
quando a si mesmo se contempla"

“Cego”, em “Idades, Cidades e Divindades”, p. 106

"Enquanto não, o pescador não pode ver o peixe dentro do rio. O pescador acredita uma coisa que não vê.
Aquela era a lição do que há-de vir da vida e ele, agora, lembrava as sábias palavras."

“Vozes Anoitecidas”, p. 58

O cego curioso, queria saber de tudo. Ele não fazia cerimónia no viver. O sempre lhe era pouco e o tudo insuficiente.

Estórias Abensonhadas” p. 29

"Nós temos olhos que se abrem para dentro, esses que usamos para ver os sonhos. O que acontece, meu filho, é que quase todos estão cegos, deixaram de ver esses outros que nos visitam. Os outros? Sim, esses que nos acenam da outra margem."
                             
Idem, p. 16

"Com medo da noite foi andando, aos tropeços. Os dedos teatrais interpretavam ser olhos."

Idem p. 31

"Acontece que o mundo é sempre grávido de imenso. E os homens, moradores de infinitos, não têm olhos a medir.

Seus sonhos vão à frente de seus passos. Os homens nasceram para desobedecer aos mapas e desinventar bússulas. Sua vontade é a de desordenar paisagens."

Cada Homem é uma Raça”, p. 167


"Como podemos florir
 ao peso de tanta luz?"

Eugénio de Andrade, “Obra Completa “, Vol. I,, Círculo de Leitores, p. 100

"E as mãos do homem não tem mais sentido que imitar
as raízes debaixo da terra."

Idem p. 130

"A noite inteira nos olhos desmedidos."

Idem, p. 195


"São muitos anos dedicados ao ofício, a mão cega procurando iluminar as funduras da alma, ou esforçando-se, com o tempo, a esquecer o que foi aprendendo."        
                                                                
“A sombra da Memória”. p. 98

"A página é cegante, na sua lucidez"

Idem p. 38

"A noite inteira nos olhos desmedidos."

Idem p. 195


"O ASTRÓNOMO

À sombra de um templo
O meu amigo e eu
Vimos um cego
Sentado e solitário.

O meu amigo disse:
- Olha que esse
é o homem mais sábio da nossa terra.

Então, deixando o meu amigo,
Aproximei-me do cego,
Saudei-o e começamos a falar.

Pouco depois disse-lhe:
-Desculpa a pergunta,
mas há quanto tempo está cego?

Ele respondeu:
-Desde que nasci.
Perguntei então:
- E que caminho de sabedoria escolheste?
- Sou astrónomo.
Em seguida levou a mão ao peito e acrescentou:
- Observo todos estes sóis, estas luas e estrelas."

Khalil Gibran


“Se um olhar de novo brilho ao meu olhar se enlaçasse…”

Alexandre O´Neil


“Vem serenidade, põe nos olhos dos cegos a luz que lhes pertence!”

Raul de Carvalho

                        

 Recolha de textos de Jerónimo Nogueira 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.