quarta-feira, 9 de abril de 2014

NEM MAIS UM CÊNTIMO PARA ESTUDOS QUE MOSTRAM QUE A HOMEOPATIA NÃO FUNCIONA


Foi feito mais um estudo, desta vez na Austrália, que concluiu que a homeopatia não funciona. Francamente, já não percebo porque se contínua a perder tempo e dinheiro para mostrar que a homeopatia não funciona. Os remédios homeopáticos são placebos. O físico francês Jean Baptiste Perrin (na imagem) calculou a constante de Avogadro no início do século XX e demonstrou que a homeopatia não funciona. A constante de Avogadro permite saber qual é o número de moléculas ou átomos que existem numa determinada quantidade de matéria, e graças a ela sabemos que nada resta da substância original após as enormes diluições dos preparados homeopáticos. Para convencer os inconvencíveis nunca haverá estudos suficientes, pelo que o melhor é deixar de os fazer. Ou será que também são precisos mais estudos para demonstrar que a Terra anda à volta do Sol?

8 comentários:

  1. Já dizia o Einstein que "Há duas coisas infinitas: O universo e a estupidez humana e quanto à primeira não tenho a certeza". assim sendo continuar-se-ão a fazer estudos, quanto mais não seja para manter o problema em aberto. E a propósito da Terra girar à volta do sol a tal estupidez humana também não encerrou ainda o assunto. Veja-se isto http://www.slate.com/blogs/future_tense/2014/04/08/lawrence_krauss_on_ending_up_in_the_geocentricism_documentary_the_principle.html

    ResponderEliminar
  2. http://www.theallium.com/policy/scientific-community-in-shock-at-study-that-shows-homeopathy-is-a-load-of-nonsense/

    ResponderEliminar
  3. O grande problema da homeopatia não é o facto de não fazer sentido. É o facto de não funcionar. Até podia funcionar e não fazer sentido (teríamos de investigar para encontrar a explicação para tão extraordinário fenómeno). Mas não funciona. http://ciencia.blogs.sapo.pt/a-homeopatia-nao-faz-sentido-mas-o-mais-932

    ResponderEliminar
  4. Não há atitude menos científica do que afastar uma hipótese recorrendo apenas ao argumento que a teoria que temos sobre o assunto é contrária a essa hipótese. É um tipo de argumento vindo das piores tradições da escolástica e que faz de quem promove essas condutas uma espécie de pároco da ciência. A ciência tem sempre avançado exactamente por hipóteses exteriores ou mesmo absurdas para as teorias vigentes. É por isso que a ciência não é um mero exercício dedutivo ou apenas especulação teórica. Por isso, ainda bem que se fazem experiências sobre coisas que nos parecem tão absurdas como a homeopatia e excelente que todas essas experiências refutam a homeopatia. Isso é a ciência a fazer o seu trabalho e esperemos que nunca cheguemos ao ponto de a castrar inteiramente em função de escolhas económicas.

    ResponderEliminar
  5. Que postura cientificista, minha nossa!!!... Que arrogância ignorante. Expliquem isto, então, vocês que já sabem responder a tudo e para quem a ciência já está praticamente resolvida:
    What is Life? A Non-Particle View
    http://larouchepac.com/node/17802

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até não me importava de gastar 45 minutos da minha vida a ver este vídeo, mas este começa logo com uma "verdade absoluta": nunca se criou vida a partir de moléculas não-vivas. Acho que este cientista do séc. XXI precisa de se informar acerca das experiências de biologia sintética:
      https://en.wikipedia.org/wiki/Craig_Venter#Synthetic_genomics
      http://dx.doi.org/10.1126/science.1190719
      (Nota: admito que não é vida criada de forma totalmente artificial, mas é um começo)

      Eliminar
    2. Vou considerar a sua resposta como um reductio ad absurdum falhado. Se quer ignorar o que eu realmente escrevi e construir a sua própria narrativa em torno disso, vou deixá-lo ficar a escrever sozinho.
      Com os melhores cumprimentos,
      João

      Eliminar
  6. Claro, vamos dar financiamento a estudo que revelam a verdade da homeopatia. Tenho a certeza, a homeopatia é o próximo unicórnio a tornar-se uma realidade.

    Homeopatia investigaciones Vittorio Elia
    https://www.youtube.com/watch?v=9fTXxX96hJo

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.