sexta-feira, 16 de outubro de 2015

CRUZ SERRA REIVINDICA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E ENSINO SUPERIOR

Destaco do Público partes do discurso do Reitor da Universidade de Lisboa, na abertura do ano académico (bold meu):

O reitor António Cruz Serra fechou as intervenções com algumas críticas e alguns pedidos. Defendeu, por exemplo, que deve haver um ministro apenas para o ensino superior: “Permitam-me que deixe aqui uma palavra de homenagem a um homem, um construtor de futuro, um professor da Universidade de Lisboa, um homem que sonhou um Portugal grande: José Mariano Gago. Que teve a lucidez de perceber que a área do ensino superior e da ciência, não deve estar sob a tutela de um ministro que tenha também a seu cargo a educação básica e secundária.” Só dessa forma, acrescentou António Cruz Serra, “é possível fazer progredir a universidade e a investigação científica em Portugal”.

(...) Explicando que a instituição cujos destino dirige tem tentado fazer face aos cortes orçamentais, disse que a universidade financiará, com recursos próprios, “cerca de 150 bolsas de investigação”: “São a forma que encontrámos para contrariar a redução do financiamento dos programas de bolsas da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

São também uma maneira, disse, “de minimizar os efeitos negativos resultantes da forma como foi conduzida a avaliação das unidades de investigação, da qual resultou o abandono de importantes áreas do conhecimento e um grave prejuízo reputacional para as universidades e para o país.”

“A sobranceria de uma ideia de caminho inevitável tão propalada nos últimos anos, é contrária à ideia de Universidade”, sublinhou, para acrescentar: “Nestes estranhos dias, duros e imprevisíveis, poderemos prescindir de tudo, mas não poderemos abdicar nem da liberdade nem do futuro. Continuamos a acreditar que o futuro será aquilo que quisermos e conseguirmos realizar.”

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.