domingo, 1 de março de 2015

O mundo manda-nos lixo e nós devolvemos música

Cateura é uma terra perdida no Paraguai que se formou e existe à volta de uma enorme lixeira a céu aberto. Todos os dias, quem tem alguma força - homens, mulheres e crianças - esgravata o lixo, recolhe o que é possível trocar por umas moedas que asseguram a sobrevivência. Poucos trabalhos serão tão degradantes, poucos lugares terão o mesmo cheiro, que imagino nauseabundo, e ruas tão sujas.

Um dia chegou a essa terra um professor de música. O seu nome é Favio Chavez e fez o que alguns professores são capazes: um milagre. Do nada fez tudo!

Procurou miúdos, concebeu instrumentos musicais de peças encontradas no lixo, encontrou um construtor, e ensinou. Ensinou Mozart, por exemplo. E eis que surgiu a "Orquestra de Instrumentos Reciclados de Cateura". O seu lema é "O mundo manda-nos lixo e nós devolvemos música".

Em 2013, Bob Simon, o carismático jornalista da CBS recentemente falecido, foi a Cateura ver, sentir o milagre, que conta num breve documentário, tão comovente quanto inspirador:


O leitor encontra o texto do documentário aqui, e pode apreciar outros apontamentos sobre a Orquestra aqui ou aqui.

3 comentários:

  1. Só a ideia já é bonita. Mas pô-la em prática deixa-nos de queixo caído.

    ResponderEliminar
  2. ...mas não deixa de ser preocupante o facto destas pessoas estarem a recolher lixo numa lixeira a céu aberto sem máscara, viverem a meias com água contaminada, numa pobreza abaixo da que conhecemos, as crianças crescendo rodeadas de lixo.

    Mas é uma ternura que os mais velhos ensinem os mais novos. E não há dúvida: a arte retira-nos do lugar quotidiano. Permite-lhes um tempo diferente num lugar limpo e de céu azul como diz a garota. E a ideia daquele professor já conquistou outros músicos.

    Imagino que os pais estejam orgulhosos e contentes. A orquestra deu nome à localidade. E, quem sabe, permite o sonho de um futuro diverso para os filhos.

    ResponderEliminar
  3. ~
    ~ ~ M U I TO ~ I N T E R E S S A N T E ! ! ~ ~
    ~ ~ ~

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.