quarta-feira, 31 de julho de 2013

O crescimento económico chegou ao fim?

O economista Robert Gordon pensa que sim, pelo menos no caso dos EUA.

7 comentários:

  1. Aquilo a que os economistas chamam de crescimento económico é. na realidade. aceleração económica. É a segunda derivada do activo, sendo este a capacidade de produzir, i.e., o conjunto da população, tecnologia, educação, etc. mas também da comunicação para que as ligações de comércio se formem. Quando olhamos para o "crescimento económico" dos USA nas últimas décadas ela é influenciada por fenómenos únicos no crescimento do próprio activo. Por exemplo, a duplicação da população trabalhadora com a entrada das mulheres no mercado a seguir à 2ª Grande Guerra, a multiplicação da capacidade comercial com a boom das comunicações. Mas também o próprio crescimento das populações.
    As populações já não crescem (onde o artigo se foca), as comunicações estão feitas, o mundo está a unificar-se como sempre se vaticinou. Essa aceleração vai naturalmente reduzir-se. O ponto que os economistas se esquecem é "virar o gráfico ao contrário".
    Precisamos dessa aceleração? A nossa preocupação de que os nossos filhos sejam "bafejados" pelos ventos da economia em aceleração não faz sentido porque os nossos filhos já são menos que nós e por isso a economia acelera muito pouco. Os mexicanos não vão para os USA porque a economia americana está a morrer, simplesmente não deixam o México porque a economia mexicana está aproximar-se da americana.
    A economia vai continuar a crescer e até acelerar. As taxas a que acelerava no passado deviam-se à formação da "estrutura" que não existia ou estava fragmentada. Mas aquilo que é o crescimento normal "a geometria constante" vai continuar. Esta não dá as taxas do passado, mas a verdade é que não precisamos. Mais, o fim dos recursos naturais não nos permitia ter as taxas de crescimento populacional que tínhamos e toda a população mundial, quando terminar a globalização económica de facto, vai estagnar ou reduzir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. falta na análise do crescimento a distribuição dos rendimentos do capital aplicado como Nosso T Ford bem disse

      uma classe média com importações baratuchas para corrigir o decréscimo do poder de compra do sand dollar e do boom de salários mínimos não estimula nem acelerações gravitacionais nem crescimentos em números primos

      em simplex gordon passou dos 70 mas não está soarizado

      Eliminar
    2. Obrigado, João, sempre lúcidas e informativas as suas palavras!

      Eliminar
  2. Filosofar virou uma angenhoca econômica professor Desiderio?!

    ResponderEliminar
  3. Angenhoca inconómica é que está bem

    ResponderEliminar
  4. deve ter razão . o crescimento das últimas décadas tem sido sempre a fingir , isto parece uma montanha russa : imprimem dinheiro , crédito barato , criam a bolha , despeja a bolha , crise ; imprimem dinheiro ...e vira o disco e toca o mesmo , sendo que os que imprimem dinheiro estão sempre a salvo da porcaria que fazem.
    e já estou a ficar enjoada de andar às voltas. decrescimento sustentável , small is beautiful , parece-me muito mais sensato , sempre dá alguma estabilidade aos pequenos.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.