sábado, 20 de abril de 2013

Entrevista a Aldous Huxley

Agradecendo ao leitor Ari a indicação de uma entrevista feita por um senhor que se chamava Mike Wallance, ao autor do Admirável mundo novo, Aldous Huxley. Dessa entrevista, muito elucidativa sob o ponto de vista do controlo social, destaco uma passagem relativa ao papel da educação na consciencialização dos sujeitos para o exercício da liberdade.

Entrevistador: A questão que continua presente na minha cabeça é: obviamente a política em si não é má, a televisão em si não é má, a energia atómica não é má mas você parece temer essas coisas sejam usadas de forma perversa. Por que é que as pessoas certas, em sua opinião, não vão usá-las? Porque é que as pessoas erradas usarão estes vários dispositivos e por motivos errados?
Aldous Huxley: Bem, eu acho que uma das razões é que esses são todos instrumentos para a obtenção de poder e a paixão pelo poder é uma das paixões que mais movimenta as pessoas. Afinal de contas, todas as democracias se baseiam na proposição de que o poder pode ser muito perigoso e que é extremamente importante não deixar qualquer homem ou qualquer pequeno grupo ter poder demais por muito tempo (...) e todos estes novos dispositivos são extremamente eficientes para a imposição do poder por grupos pequenos sobre grandes massas.
Entrevistador: Bem, você fez a pergunta a si mesmo e Inimigos da Liberdade, vou colocar-lhe a sua própria pergunta. Você perguntou isto: numa época de acelerada super-produção, de acelerada super-organização e de meios de comunicação mais eficientes do que nunca como podemos preservar o valor da pessoa humana? Você colocou a questão, tem a possibilidade de, aqui e agora, responder, Sr. Huxley.
Aldous Huxley: Bem, isso é obviamente... antes de tudo, uma questão de educação. Eu acho que é muito importante insistir nos valores assumidos pelo indíviduo (...) há uma tendência, como você deve ter lido num livro de Whyte, The organization man, um livro muito interessante e valioso, onde ele fala sobre o novo tipo de moralidade de grupo, a ética do grupo, fala sobre o grupo como se ele fosse de alguma forma mais importante do que o indivíduo (...) E eu acho extremamente importante enfatizarmos os aspectos educacionais da nossa vida (...) ensinar as pessoas a estar em guarda contra todo o tipo de armadilhas verbais em que estão sempre a ser conduzidas, a analisarem o tipo de coisas que lhes são ditas. Bem, eu acho que há todo esse aspecto educativo e que existem muitas outras coisas que se podem fazer para fortalecer as pessoas e torná-las mais conscientes do que está a ser feito.
Primeira parte aqui; segunda parte aqui; terceira parte aqui. Entrevista completa aqui.

1 comentário:

  1. Muito obrigada pelo artigo e a totalidade da entrevista de Aldous Huxley. Parece-me que a análise à necessária liberdade humana responde cabalmente às "esposas.." do post de domingo.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.