sábado, 5 de agosto de 2017

GRAFITTI DE UMA CASA NO FUNCHAL


1 comentário:

  1. Nada melhor que as férias para nos esvaziarmos de nós e favorecermos, tanto quanto possível, a contemplação. O inesperado e imprevisível acontece sempre que somos capazes de "morrer" um pouco a contemplar a vida. A contemplação é um processo vital inteligente que não tem nenhuma finalidade senão olhar e deixar que o pensamento surja do nosso estado de despojamento perante o que está fora, sendo que nós próprios estamos fora.
    Como é bom atentar nestas asserções, desejar decifrá-las, ou , pelo menos, contextualizá-las e fixar-lhes algum significado, e darmos conta de que algumas palavras (ditas, pensadas, escritas), se realmente estão no espaço ou ocupam espaço, por muito parco, não deixam de ser o lugar imenso, incomensurável, talvez um raro exemplo do que se possa designar (o maior) vazio, no (mínimo) espaço (não em muito como no grafitti).
    A física e a química, suponho eu, já devem ter determinado as leis segundo as quais o poder é como o espaço (ambos têm horror ao vazio). Mas terão já encontrado a explicação para o facto de o vazio existir (há tanto tempo)?

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.