quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O Raio Louco


Em Novembro de 1895 Wilhelm Konrad Röntgen descobrira os raios X ao estudar o impacto dos raios catódicos sobre substâncias químicas como o bário.

Um dos efeitos observados fora a luminescência, as substâncias químicas ganhavam energia para a perder de imediato. Usando filmes de bário e escurecendo o laboratório, fora-lhe permitido observar este fenómeno. Ele reparara que uma folha de bário na parede e distante do aparato coruscava. Agarrara nela e, de seguida, levara-a para uma sala escura ao lado, acabando por ver de novo a luminescência. Para ele, estava-se na presença de uma radiação penetrante e, como ignorava a sua natureza, chamara-a de raios X.


Joseph J. Thomson, desvendara a natureza dos raios catódicos: são feixes de electrões, carregados negativamente. Mais tarde, os irmãos Bragg, que dispunham de cristais de difracção, concluíram o estudo sobre a frequência e a energia dos raios X.


O primeiro quarto do século vinte fora de facto bastante fértil em descobertas de radiações. Este facto não deixara o cineasta René Clair indiferente. Em “ParisQui Dort”, filme de 1925, um cientista que está em contacto, através de um aparato electromagnético, com a torre Eiffel, descobre, durante as suas investigações, uma radiação louca que tem o efeito de pôr a cidade ao ritmo que ele quer. Manipulando uma alavanca, a cidade pode passar da correria ao marasmo e deste ao sono profundo (isto à luz do dia), ao cair, como chuva, a radiação.


De facto a sociedade portuguesa pouco mudou desde 1925. Continua a ir ao ritmo que os governantes lhe impõem. O marasmo permanece e estamos longe do “rayon vert”.


Agora vou ler o Homem de Constantinopla (sucesso certo e mais um raio vindo do alto), isto apesar de admirar escritores como Kafka, Jean Rhys, James Joyce, Thomas Bernhard, escritores que ficaram entranhados no papel.

P.S:Os raios X datam de 1895 ( não 1915, como, por equívoco, escrevi).
Le rayon vert é o título de um livro francês e de um filme de Eric Rohmer.


5 comentários:

  1. Joseph J. Thomson, desvendara a natureza dos raios catódicos: são feixes de electrões carregados negativamente.

    Existem electrões com cargas positivas?? Para mim será novidade...

    ResponderEliminar
  2. Não será antes em novembro e 1895???

    tal como mencionado em " http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/physics/laureates/1901/rontgen-bio.html "

    ResponderEliminar
  3. Os raios-X foram descobertos a 8 de Novembro de 1895.

    ResponderEliminar
  4. O primeiro nome de Röntgen está mal. É Wilhelm.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.