sábado, 19 de outubro de 2013

Emigrem, enquanto é tempo!

Texto recebido de Augusto Küttner de Magalhães: 


Será este o discurso de fim de percurso – que é afinal o que nos está a acontecer - que teremos que passar a ouvir, e por certo, também, a repetir : Emigrem, enquanto é tempo! Emigrem enquanto têm idade de o conseguir fazer, de arranjar trabalho “lá fora”, que isto “aqui dentro”, vai em declínio continuado.

Emigrem, dado que ninguém cá dentro tem sequer explicações, quanto mais soluções, para o presente e para o futuro, e dado que os poucos que as possam ter, como não estão nem directa nem indirectamente ligados aos permanentemente “instalados”, ou são mandados calar ou nem chegam a falar.
Emigrem dado que os políticos, todos, todos do nosso País, não querem desinstalar-se das governações e das oposições onde estão instalados, não querem abdicar das suas mordomias e regalias, pelo que nada vai melhorar.  Para manterem o que têm, irão piorando o pouco que nós ainda temos.
Emigrem dado que o País está a enlouquecer - a previsão é que em 2040 quase metade da população que cá estiver está louca e evitem fazer parte dos que lá vão chegar.
Emigrem para não terem que ver os vossos pais, avós, e restantes familiares mais velhos, sem alternativas, sem comida, sem aquecimento, sem futuro. Sem nada.
Emigrem antes de terem 60 anos, dado que, a partir dessa idade, as perspectivas se acabam: qualquer oportunidade, por mais pequena que seja, deixou completamente de existir.
Emigrem, enquanto é tempo!
Augusto Küttner de Magalhães

6 comentários:

  1. Senhor Augusto Küttner de Magalhães, vou deixar aqui umas citações do Professor Bento de Jesus Caraça, numa tentativa de dar "cor" ao pessimismo e ao escuro que o senhor aqui nos trás. Cumprimentos.

    http://www.epbjc-porto.net/bjc/citacoes.html

    “O que o mundo for amanhã, é o esforço de todos nós que o determinará”

    “…as ilusões nunca são perdidas. Elas significam o que há de melhor na vida dos homens e dos povos (…) Benditas as ilusões, a adesão firme e total a qualquer coisa de grande, que nos ultrapassa e nos requer. Sem ilusão, nada de sublime teria sido realizado, nem a catedral de Estrasburgo, nem as sinfonias de Beethoven. Nem a obra imortal de Galileo.”

    “O homem desiludido e pessimista é um ser inerte, sujeito a todas as renúncias, a todas as derrotas – e derrotas só existem aquelas que se aceitam.”

    “A cultura tem que reivindicar-se para a colectividade inteira, porque só com ela pode a humanidade tomar consciência de si própria.”

    “Conseguirá a Humanidade, num grande estremecimento de todo o seu imenso corpo, tomar finalmente consciência de si mesma, revelar a si própria a sua alma colectiva, feita do desenvolvimento ao máximo, pela cultura, da personalidade de todos os seus membros?”

    ResponderEliminar
  2. É uma infelicidade... este texto de um perdido egoísmo. Valem-me os ensinamentos e exemplo de meus pais, que sem estudos me ensinaram coisas que muita gente letrada não percebe, tentar perceber a marcha dos acontecimentos e uma dominação de uns sob outros, que só assim é, porque....

    ResponderEliminar
  3. Bom dia


    Não entendi o comentário de Mário Reis, de me chamar egoista, logo, não vou sequer responder.

    cumprimentos

    ResponderEliminar
  4. Caro Ildefonso Dias, como deverá imaginar, "isto" foi um desabafo de momento, e quem me dera que mais ningiem emigre.

    E espero que os meus , descendentes, não emigrem, que os quero cá, não por egoismos, mas por gostar deles e querer que o País não morra.

    Mas que gosteria que os polticos se desintatlam-se,........................ não duvido.

    Abraço

    Augustto

    ResponderEliminar
  5. Caro Carlos Fiolhais.

    Agradeço a inserção deste texto, dado que vejo que entendeu qual a razão - provocatória!! - que me o fez escrever.

    Abraço forte

    Augusto

    ResponderEliminar
  6. Emigrar para onde? Se o planeta azul se apresenta cada vez mais inclinado, "talvez até mais do que o seu próprio eixo", impedindo os povos de serem felizes em qualquer lugar terreno, fazendo-os escorregar para o abismo, da desigualdade, da pobreza, da sobrevivência, etc.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.