quarta-feira, 24 de julho de 2013

AINDA AS SELVAGENS

Selvagem Grande vista de sul. À esquerda, a oeste, o Pico da Atalaia, com 163m, e à direita, 
o Pico do Tornozelo, com 137m (foto de Carlos Lopes)
Na semana que passou, os portugueses foram bombardeados com a visita do Presidente da República à Reserva Natural das Ilhas Selvagens, criada em 1971. Estas muito nossas pontuações rochosas emergentes das águas do Atlântico, a cerca de 160 km a norte das Canárias, têm sido, de há muito, alvo da cobiça dos “nuestros hermanos y vecinos”, nesta Europa a 27, onde a solidariedade é palavra quase esquecida.

É um conjunto de três pequenas ilhas ou ilhéus rodeados de baixios que, para além do seu muito interesse nos domínios da bio e da geodiversidade, fazem aumentar consideravelmente a Zona Económica Exclusiva de Portugal. 

Durante a curtíssima estadia do Presidente da República nesta parcela do território pátrio, falou-se da Estratégia Nacional para o Mar, falou-se de Mário Soares e de Jorge Sampaio, os dois presidentes que já ali se deslocaram em manifestações de soberania, e ali permaneceram apenas umas horas, e que foi o actual Chefe de Estado que, reafirmando a portugalidade da dita parcela, ali pernoitou; “uma noite tranquila”, no dizer do próprio, em contraste com a “noite mal dormida” a bordo da fragata Vasco da Gama. 

Falou-se do ROV, o veículo de observação remota, capaz de mergulhar até aos 6000m, nas profundezas oceânicas, falou-se da casa dos vigilantes e da única casa particular, ali construída em finais dos anos 60 do século passado, propriedade do médico e ornitólogo de origem britânica, Francis Zino, e falou-se muito de cagarras e um pouco menos das outras aves ali residentes. Entretanto, em Lisboa, prosseguiam as conversações entre as delegações do PSD, do PS e do CDS-PP, dizia-se que, com vista ao “compromisso de salvação nacional” proposto, dias antes, pelo ilustre visitante do minúsculo arquipélago.

Nesta visita, ninguém, nem o director do Parque Natural da Madeira (como era seu dever e da sua competência), explicou ao Professor, aos distintos acompanhantes e aos portugueses a natureza e a história geológica do local. Com alguma ligação a esse domínio do saber foram, contudo, ali proferidos dois temos: pedregulho, pela boca do Professor Cavaco Silva, ao aludir às irregularidades da vereda de acesso ao planalto, e ravina, pela voz do Dr. Alberto Jardim, no mesmo percurso, numa expressão, aliás, incorrecta, pois o que há ali é um escarpado ou, se quisermos, uma arriba. Ravina é um francesismo desnecessário, obtido por tradução de ravin, cujo significado é barranco. 
Vista aérea da Selvagem Grande (in www.panoramio.com).
As Selvagens são a parte visível de um importante aparelho vulcânico edificado a partir do substrato oceânico (com 135 milhões de anos), a uma profundidade de 3000 a 4000 metros e quase completamente arrasado pela erosão na sua parte emersa. A Selvagem Grande, a maior destas emergências, corresponde ao que resta de um cone vulcânico no extremo nordeste de um alinhamento de orientação NE-SW, marcado pela isóbata dos 1000 m, cujo extremo SW corresponde ao outro cone do mesmo aparelho, testemunhado pela Selvagem Pequena e pelos ilhéus vizinhos.

No essencial e em termos muito gerais, a Selvagem Grande, com cerca de 5 km2, exibe uma superfície planáltica, a cerca de 100 m de altitude, terminada abruptamente sobre o mar, com arribas de 70 a 90 m de escarpado. Esta superfície, sub-horizontal e muito regular, é o resultado de erosão, por abrasão marinha, do relevo vulcânico primitivo, predominantemente construído por fonolito (rocha extrusiva rica de feldspatóides, equivalente vulcânica do sienito nefelínico, como o que temos na Serra de Monchique) durante o período Oligocénico, cuja idade isotópica foi avaliada entre 24 e 27 milhões de anos.

Sobre esta superfície, então submersa a muito escassa profundidade, formando um banco, depositou-se uma sequência de camadas sedimentares, com 5 a 10 m de espessura, com um conglomerado de cimento calcário, na base, a que se seguem níveis arenosos calcários com abundantes fósseis marinhos atribuídos ao Miocénico (Tortoniano inferior ou Serravaliano). Esta superfície acabou por de elevar uma centena de metros, razão de ser da sua actual situação planáltica. Acima dela sobressaem o Pico da Atalaia (163m), o Pico do Tornozelo (137m) e o Cabeço do Inferno (108m), elevações correspondentes ao que resta de três cones edificados por actividade vulcânica mais recente, testemunhada por piroclastos e escoadas de lavas basálticas (cujo primeiro derrame sobre a camada sedimentar fossilífera data de há cerca de 11,5 milhões de anos), num conjunto que se prolonga pelo Pliocénico e, talvez, pelo Quaternário antigo, que cobre o topo da sequência sedimentar que, assim, apenas é visível na periferia da ilha, no topo da arriba, entre os 80 e os 100 m de altitude.

Parte do planalto está atapetado por areias calcárias organogénicas, para ali transportadas eolicamente, oriundas de um litoral arenoso entretanto desaparecido. Como recursos hídricos, existem na ilha apenas três fontes de fraco débito e apenas em parte do ano: Fonte das Ovelhas, Fonte Salgada e Fonte das Galinhas, pelo que o abastecimento de água se faz com recurso a duas cisternas, a Velha, no centro da ilha, e a Nova, a SW do pico da Atalaia.

A. Galopim de Carvalho

7 comentários:

  1. Quem sabe sabe. E quem não sabe está sempre a tempo de aprender (isto não é bem assim mas vale como princípio).

    Agora, e se se enviasse este texto (com as fotos) para a Presidência da República, a fim de que, nas próximas visitas, todos os membros da comitiva estudassem (previamente) um bocadinho e se inteirassem melhor da origem, da idade e das características do terreno e das espécies biológicas das ilhas?

    Não se perdia nada, creio. E a soberania até se tornava um reflexo de algo mais autêntico, porque mais sentido.

    Mas isso não faz propriamente o nosso estilo. "Vamos lá", enchemos o peito, de modo mais ou menos postiço [se não é parece(-me)], e tentamos impressionar os espanhóis, que pouco nos ligam...

    ResponderEliminar
  2. Gostava de ir às Selvagens e ficar a conhecer a sua geologia e a sua diversidade biológica, de preferência tendo como guia o prof.Galopim de Carvalho que eu já ouvi numa palestra extraordinária.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Graciete,

      Ir às Selvagens havia de ficar bastante caro. Uma viagem dessas não havia de ser para todos os bolsos. Mas se gosta dos ensinamentos do Prof. Galopim, e, caso não saiba, há um blogue intitulado "http://www.sopasdepedra.blogspot.pt/", cujo intróito diz assim: "Deste blogue constarão, sem outra regra que não seja a do acaso, temas de natureza científica e pedagógica, de divulgação e de opinião, crónicas do presente ou do passado, contos infantis e juvenis e, porque não, uma vez por outra, uma receita culinária. Ver "Advertência aos Leitores", no início." Mas não é tudo, o Professor Galopim também pinta, e tem feito exposições. E, olhe, nos dias 11, 12 e 13 de Setembro, ele vai dar um curso, intitulado "O Planeta Azul", no Museu do Quartzo em Viseu, para o qual as inscrições ainda decorrem. Sempre é mais pertinho, em Viseu...
      Desculpe se estou a dizer-lhe o que já sabe, mas como também eu procuro não perder nada do que ele escreve pensei que, eventualmente, podia estar a dar uma informação útil.
      Ah, e já agora, o Professor Galopim publicou recentemente um livro intitulado "À Conversa com os Reis de Portugal". É um livro muito muito bom. Li-o há pouco e passei-o à minha mulher, que é professora de história (comprei-o para oferecer-lhe, e ofereci, mas ela teve a doçura de, vendo o meu interesse, querer que eu o lesse primeiro) e ela está espantada, e a adorar. Na fila, caseira e familiar, já há mais candidatos a aguardar para a leitura do mesmo exemplar.

      Eliminar
    2. Corrigenda: na terceira linha do comentário anterior, onde escrevi ..."há um blogue"... devia ter escrito ... "ele tem um blogue"...

      Eliminar
  3. Até que enfim! Acabei de ler alguma coisa com interesse, sobre as Selvagens!
    AM

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.