quarta-feira, 11 de agosto de 2021

A VENTURÍADA

 


O poeta Eugénio Lisboa verseja sobre a mais recente desventura de Ventura:


A VENTURÍADA

 

Dizem que o André Ventura

tem medo de se vacinar

porque há alguém que procura

modo de o assassinar.

 

A vacina é um pretexto

para veneno inocular:

ela é apenas contexto

para o Costa actuar.

 

Por isso se esconde em casa,

fingindo que tem covid:

assim, com chumbo na asa,

intima ao Costa: REGRIDE!

 

Pelo telefone, ele apela

às pessoas que são “de bem”

e vai espreitar à janela,

a ver se alguma vem!

 

Mas só um pobre cigano,

de coração muito largo,

vem socorrer o magano,

consolá-lo, sem embargo.

 

Mas, afinal, que mal tem

não gostar muito de pretos,

que não são gente de bem

e não passam de dejectos!

 

O Ventura apenas pede

que o compreendam bem:

o cigano (ou o preto) fede

e os socialistas também!

Eugénio Lisboa,

num dia em que o estro estava fraco. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

A História dos Paladares ou Saberes e Sabores

  Meu artigo mais recente no As Artes entre as Letras: Saiu no final de 2021, do prelo da Prime Books, o segundo volume da monumental tril...