sexta-feira, 13 de agosto de 2021

TED CHIANG E A MODERNA FICÇÃO CIENTÍFICA

 


Minha recensão no I de ontem:

O norte-americano Ted Chiang (53 anos) é um dos mais premiados autores de ficção científica, apesar de ser autor de apenas duas colectâneas de contos. O seu primeiro livro, História da Sua Vida e Outros Contos, saiu nos Estados Unidos em 2002 (Tor Books)) e no Brasil em 2016 (Intrínseca). Acaba se sair em Portugal o seu segundo livro, publicado no original em 2009 (Knopf). Intitula-se Exalação e tem a chancela da Relógio d’Água, sendo o n.º 20 da colecção “Ficção Cientifica e Fantasia”. Esta colecção tem oito livros do norte-americano Philip K. Dick, incluindo títulos que passaram ao grande ecrã como Será que os Andróides Sonham com Ovelhas Eléctricas? (no cinema, Blade Runner) e Relatório Minoritário, e livros clássicos de outros autores, também adaptados ao cinema, como A Guerra dos Mundos e O Homem Invisível, do inglês H. G. Wells, e Duna, do norte-americano Frank Herbert (para já não falar do muito recente, mas  já muito badalado O Problema dos Três Corpos, do chinês Liu Cixin). A tradução de Exalação, que não deve ter sido fácil – há neologismos como “digientes” (entes digitais) e “vidiário” (diário em vídeo) – tem a qualidade a que o poeta José Miguel Silva já nos habituou. Já a revisão de texto deixou escapar algumas gralhas como, na p. 239, “Algumas pessoas ficam obcecadas com os primas” (em vez de “prismas”).

Chiang é filho de chineses que, com a revolução comunista, fugiram primeiro para Taiwan e depois para os Estados Unidos onde ele nasceu (em Port Jefferson, perto de Nova Iorque). Fez um Curso de Ciências de Computação na Universidade Brown, em Providence, e está há mais de duas décadas a residir em Bellevue, perto de Seattle, oferecendo os seus serviços de escritor técnico para empresas de software. Trabalhou na Microsoft e hoje é freelancer. A sua escrita ficcional está nos antípodas da escrita técnica. Estreou-se na ficção científica aos 23 anos com o conto The Tower of Babylon”, publicado em 1990 na lendária revista Omni, que misturava ciência e ficção científica (existiu uma versão portuguesa, dirigida por João Paulo Cotrim, na qual tive a honra de colaborar). Com esse escrito ganhou o seu primeiro prémio Nébula. Hoje é um escritor consagrado na área que escolheu, apesar da sua relativamente escassa produção, tendo já ganho os mais prestigiados prémios na área da ficção científica: quatro Prémio Nebula, quatro Prémio Hugo e quatro Prémio Locus. O seu conto História da Sua Vida, que deu o título ao seu primeiro livro, foi adaptado ao cinema em 2016, estando na base do filme Arrival, em português O Primeiro Encontro, dirigido pelo franco-canadiano Denis Villeneuve e interpretado pelos actores norte-americanos Jeremy Renner e Amy Adams. Ted Chiang também obteve reconhecimento académico: é escritor visitante na Universidade de Notre Dame, em Indiana.

Os seus enredos de ficção científica primam pela originalidade. Colocam o leitor perante situações que o fazem reflectir. Entre os recenseadores, há quem fale de ficção científica “filosófica” ou “humanista”. Não há na sua prosa as confusões das “guerras dos mundos”, mas sim situações incomuns de base científica ou tecnológica que permitem levantar as grandes questões da humanidade, por exemplo a magna questão de saber se existe determinismo estrito ou se dispomos de uma margem razoável de livre-arbítrio. Tenho para mim que toda a ficção científica, que li muito mais em jovem do que leio hoje, é, de alguma maneira, filosófica e humanista. Trata-se de observar o ser humano em cenários e dilemas onde a natureza humana se possa revelar com maior nitidez. Coloca-se o homem num fato de astronauta em Marte ou num buraco negro, com o fito de melhor o conhecer: ir para longe é sempre uma maneira de chegar mais perto. Esta característica da ficção científica está bem nítida em Isaac Asimov e Arthur C. Clarke, dois gigantes que influenciaram o jovem Chiang. A moderna ficção científica é a continuação da antiga.

O segundo livro de Chiang inclui nove contos, dos quais só dois são inéditos. Os outros tinham sido publicados em revistas de ficção científica e mesmo numa revista científica, a Nature, que gosta de piscar o olho à ficção (já publicou textos ficcionais do biólogo João Ramalho Santos). O primeiro conto, intitulado “O Mercador e o Portal do Alquimista”, passa-se em Bagdade e no Cairo de há séculos: contendo histórias dentro da história, como nas Mil e Uma Noites, descreve uma máquina do tempo, um tema tratado por H. G. Wells num outro seu clássico, A Máquina do Tempo. Nos “Comentários às Histórias” que surgem no final, o autor explica a génese e a intenção dos seus contos. No primeiro partiu da  proposta de uma máquina do tempo feita pelo físico norte-americano Kip Thorne (Prémio Nobel da Física de 2017 e colaborador científico dos filmes Contacto e Interstellar), materializando-a na civilização árabe, impregnada por um pensamento fatalista. Não existe aqui a possibilidade de interferir no passado, mas sim e tão só a de compreender o decurso do tempo. O conto termina assim: “Nada apaga o passado. Existe o arrependimento, existe a penitência, e existe o perdão. Isso é tudo, mas é suficiente.”

O segundo conto “Exalação”, inspirado numa história de Philip K. Dick, remete-nos para um cientista extraterrestre, inteiramente mecânico, que, por auto-axame (ele próprio se intitula “anatomista”), consegue descobrir o segredo da vida no seu mundo: ela só existe porque há uma diferença de pressão de ar. A inspiração é a Segunda Lei da Termodinâmica, segundo a qual a “morte térmica” se dá com o máximo de entropia, isto é, a completa indiferenciação entre partes do sistema. O cientista deixa, antes da morte do seu mundo, uma mensagem: “Embora eu esteja já morto há muito quando leres isto, explorador, quero deixar-te uma exortação de despedida. Contempla a maravilha que é a existência, e alegra-te por seres capaz de o fazer. Sinto que tenho o direito de te dizer isso porque, enquanto gravo estas palavras, estou a fazer exactamente o mesmo.”

O terceiro conto, “O Que Se Espera de Nós”, é o mais breve de todos: não chega a três páginas. Descreve um gadget, o “Predictor”, só com um LED e um botão, que desafia o livre-arbítrio: “Se tentarmos premir o botão com a luz apagada, esta acende-se imediatamente, e por muito rápidos que sejamos, nunca o conseguimos apertar antes de ter passado um segundo. Se ficarmos à espera que a luz pisque, com a intenção de só depois premirmos o botão, ela não acende. Falamos o que fizermos, a luz precede sempre o aperto do botão. Não há maneira de enganar um Predictor.”

O quarto conto, “O Ciclo de Vida dos Objectos de Software”, é o maior de todos: estende-se por 90 páginas. Uma rapariga que foi tratadora num jardim zoológico e um rapaz que cria desenhos animados trabalham para uma companhia de software que desenvolve os “digientes”, uma espécie de tamagotchies digitais. Nos comentários, o autor explica a sua ideia: partiu do princípio de que a inteligência artificial não nasce feita, mas precisa de um processo de educação, ao longo de duas décadas, tal como a inteligência natural. As relações entre humanos e “digientes” fazem-nos pensar: poderão os “digientes” algum dia tornar-se humanos?

O conto seguinte, “A Ama Automática de Dacey”, de novo curto, remete-nos para o tempo vitoriano, descrevendo um mecanismo imaginário para cuidar de crianças. Ao contrário do conto anterior, onde as máquinas eram tratadas por humanos, aqui os humanos são tratados por máquinas.

Depois vem “A Verdade de Facto, a Verdade de Sentimento”, uma das histórias de que mais gostei. Explora as possibilidades e perigos das memórias digitais, fazendo-nos pensar sobre os inconvenientes do excesso de memória. Entremeia uma história de missionários numa tribo primitiva, que ensinam a escrita, cujo grande poder é o de guardião da memória. Mas, como o título sugere, há várias verdades que a memória pode guardar.

No conto “O Grande Silêncio” compara-se a dificuldade de comunicação com extraterrestres com a dificuldade de comunicação entre os humanos que construíram o radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico, e os papagaios que habitam uma floresta das redondezas. Por sua vez, o tema de “Ônfalo” (ou centro do mundo) é deveras curioso: Chiang imagina um mundo ultrarreligioso, onde a doutrina criacionista reina devido à abundância de provas, mas onde novas observações arriscam abalar a crença arreigada. A questão é: Ocupamos ou não um lugar central no Universo? Ou, se se quiser: “Que relação existe entre ciência e religião?

Finalmente, no conto “A Ansiedade É a Vertigem da Liberdade” o autor explora o tema dos universos paralelos, que se costuma associar à teoria quântica. Um dispositivo quântico, dito “prisma”, permite a uma pessoa estabelecer contacto consigo própria, num outro ramo da sua história de vida. Por exemplo, a pessoa pode usar o prisma se estiver interessado em saber como teria sido a sua vida se não tivesse casado com a pessoa com quem casou. Mais uma vez assoma o tema do determinismo e do livre-arbítrio.

Exalação foi muito elogiado por Barack Obama, que o incluiu no seu rol de livros de Verão de 2019, e também pela escritora Joyce Carol Oates, um nome recorrente nas previsões de Nobel da Literatura, num artigo da revista The New Yorker. Além disso entrou no top de livros do ano do jornal The New York Times. Já há duas propostas para adaptações cinematográficas de dois contos. Vale, de facto, a pena lê-lo em português!

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.