quinta-feira, 16 de julho de 2020

CRENÇAS MÁGICAS

Novo artigo de Nuno Pereira (psiquiatra):

    As crenças constituem juízos não conscientes com raízes em experiências anteriores, os quais permanecem latentes e, quando ativados por acontecimentos críticos, se transformam, por processos cognitivos (normalmente de modo deficiente), em juízos conscientes. Estes, por sua vez, determinam emoções, que fazem emergir novos juízos, em círculo vicioso. As crenças mágicas, nomeadamente em poderes paranormais ou virtudes curativas, assentam na necessidade de conhecer e controlar uma realidade adversa. Ao tornarem “inteligíveis” fenómenos misteriosos, isto é, darem sentido ao desconhecido, exercem por vezes função adaptativa com efeitos tranquilizadores e de bem-estar. Outras vezes, quando são interpretações de poder maléfico ou carácter nocivo, podem provocar ansiedade ou mesmo terror. Apesar do avanço científico e tecnológico da sociedade atual, persistem de modo significativo, não só na infância e em algumas perturbações mentais, bem como em pessoas ditas “normais”, até com formação superior. Fazem parte do conteúdo do pensamento primitivo que envolve distorções cognitivas correspondentes a erros de raciocínio, que “turvam” a visão da realidade.

    Para o crente, segundo o seu ponto de vista, as suas crenças são verdadeiras, o que as torna praticamente insuscetíveis de correção pela argumentação lógica, quando reforçadas ao longo dos anos quer por desvio confirmatório, como tendência a selecionar informações favoráveis e a ignorar as desfavoráveis, quer por apelos à autoridade, à maioria e também à falta de provas da inexistência de forças ocultas, cabendo a prova da sua existência ao próprio crente.

    De facto, acontecem por vezes fenómenos estranhos e curas extraordinárias, mas atribuíveis a causas diferentes das supostas pelo crente. Promover o pensamento crítico, que privilegia o método científico, permite focar primeiro na busca de explicações naturais antes de recorrer às sobrenaturais. Para tal é útil ter algumas noções, por um lado, de ilusionismo, que consegue reproduzir todos os fenómenos alegadamente paranormais, e, por outro lado, de efeito placebo, sugestão e remissão espontânea de certas doenças, motivos por que “funcionam” às vezes as denominadas “medicinas não convencionais”.

    O ilusionismo, através de artefactos, prestidigitação, ventriloquia e mentalismo, oferece as explicações necessárias para desvendar alegados poderes de telepatia, clarividência, psicocinese, levitação, materializações, curas psíquicas, comunicação mediúnica e leituras psíquicas. Por exemplo, para o sucesso das putativas leituras psíquicas, como astrologia, cartomancia, quiromancia, clarividência, comunicação mediúnica, contribui, em grande parte, a técnica de “leitura fria” do mentalismo para criar a ilusão de conhecer a personalidade, o passado e o futuro duma pessoa, com utilização ardilosa de frases declarativas vagas e gerais e de outras em tom declarativo, mas interrogativas, imperativas e exclamativas, nem verdadeiras nem falsas. Todas estas frases, formuladas de modo ambíguo, levam a pessoa a admitir como verdadeiras e exatas a descrição da personalidade e a visão do passado e do futuro por efeito de validação pessoal combinada com desvio confirmatório, erro cognitivo em que se recordam os palpites certos e se esquecem os errados.

    O placebo (agente desprovido de ação terapêutica) produz efeitos inespecíficos resultantes das crenças do doente acerca do seu poder curativo. Os ensaios clínicos comparam grupos experimentais com grupos de controlo (que recebem placebo) para verificar a eficácia real do tratamento, a qual se restringe à resposta terapêutica subtraída do efeito placebo. Ora, os tratamentos das “medicinas alternativas” (caso ilustrativo dos produtos homeopáticos) não apresentam provas de eficácia superior ao placebo e os seus resultados devem-se também à sugestão e à evolução natural de certas doenças, com exceção da eficácia devida às propriedades intrínsecas dalguns tratamentos naturais já conhecidos da medicina. Mesmo falsos diagnósticos, baseados em teorias exóticas, têm efeito placebo com melhoria do estado do doente, mas possíveis consequências deletérias pelo atraso no adequado tratamento da verdadeira doença. Obviamente que a regulamentação das “medicinas não convencionais” não confere validade científica.

    Perante a alegação de poderes paranormais ou de virtudes curativas exigem-se provas inequívocas, mediante ensaios controlados, aleatorizados e duplamente cegos, com revisões sistemáticas por grupos de investigação independentes. Reduzir a credulidade implica a procura de explicações racionais através da experiência. Para desenvolver o pensamento crítico, na escola desde a adolescência, não basta conhecer as descobertas da ciência e realizar experiências de comprovação, torna-se necessário aprender a distinguir a ciência das suas imitações.

                    Nuno Pereira (psiquiatra)


Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

MAIS RECHERCHE DE MAIS TEMPS PERDU

(NUM DIA DE PÁSCOA, EM MOÇAMBIQUE)  Quando era Páscoa, em Moçambique,  eu lia NOTRE DAME DE PARIS  e achava a matemática chique: que belos e...