quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

SETE BELOS LIVROS DESTE NATAL

Neste Natal folheio, deliciado, alguns belos "coffee table books" que apareceram recentemente. Seleccionei sete que apresento por ordem alfabética de autor:


- Cristina Castel-Branco, "Jardins de Portugal", Lisboa: 2014.

A autora, arquitecta paisagista, é uma das melhores conhecedoras dos jardins portugueses. Num trabalho colectivo com o arquitecto paisagista e cartógrafo  Filipe Amaral  e o fotógrafo António Sachetti, seleccionou 59 jardins ordenados de norte a sul do país, para terminar nas ilhas (Açores e Madeira).  A edição tem  a qualidade a que os Correios de Portugal já nos habituaram, estando nela incluída a série de selos "Jardins de Portugal". O prefácio é de Guilherme de Oliveira Martins Ficamos com vontade de ir senão a todos, como os autores, pelo menos à maior parte destes jardins.


- "Pharmacopeia Geral para o reino, e domínios de Portugal,..." Tomos I e II (reunidos num só), Coimbra: Imprensa da Universidade, 2014 (facsimile da edição de 1794)

Com um formato muito mais pequeno do que os outros este é um belo volume, numa elegante capa e caixa, que também fica bem, sobre a mesinha do café. Trata-se de um facsimile da primeira farmacopeia oficial portuguesa, de 1794, escrita embora não assinada por Francisco Tavares, professor de Medicina da Universidade de Coimbra (o original está na Biblioteca da Ciências da Saúde daquela Universidade).
O  prefácio que enquadra a obra é de João Rui Pina, historiador da farmácia. O patrocínio que tornou a edição possível é da Bluepharma, de Coimbra, cujo CEO, Paulo Barradas, escreveu uma introdução onde anuncia que além desta farmacopeia antiga serão publicadas mais nove, em anos sucessivos. Uma iniciativa ligada à digitalização do volume (que pode ser aprecuiada no reposit´+orio Alma Mater) que não pode deixar de ser louvada.


- Zilda Melo França, Victor Hugo-Forjaz et al., "Guia de História Natural da Ilha do Pico. Pico Island History Handbook", Ponta Delgada: Observatório Vulcanológico e Geotérmico dos Açores,  2014.
(contacto: vforjazovga@gmail.com)

Após um editorial e um preâmbulo, este livro apresenta a geologia, biologia e a ecologia da  ilha do Pico, uma das mais impressionantes ilhas dos Açores, cujas vinhas nos "currais" em vertentes de lava são hoje Património da Humanidade. Edição bilingue, as imagens são lindíssimas em papel couché, exibindo a mais alta montanha de Portugal sob os mais diversos ângulos. Parabéns ao editor, o vulcanologista Victor-Hugo Forjaz, que obteve o apoio do governo açoriano, no quadro do projecto GeoTurBi
o, para  um projecto de levantamento que começou pela ilha do Pico. Trata-se de um projecto de cultura científica, que visa colocar nas mãos dis turistas ou outras pessoas que prezam a cultura científica, informação validada sobre um ambiente sem par. São indicados alguns roteiros a explorar e é fornecido um grande mapa em extratexto.

- António Maia Amaral (coordenador), "Os livros em sua ordem. Para a história da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra". Coimbra: Imprensa da Universidade, 2014.

Livro ricamente ilustrado que pela primeira vez, graças a um esforço colectivo de bibliotecários, encabeçados pelo director adjunto da Biblioteca, António Maia Amaral (muitos parabéns!), compila a história da biblioteca pública mais antiga portuguesa que é hoje Património Cultural Europeu, para além de ser parte do património Mundial da Humanidade, que é a própria universidade. O livro sai por ocasião dos 500 anos daquela biblioteca, que existia em Lisboa em 1513. Em 1728 ficou pronta a Biblioteca Joanina, cuja história é aqui contada. O prefácio é do historiador Fernando Taveira da Fonseca e o patrocínio à edição é da Fundação Eng. António de Almeida.


- Carla Paulina e Inês Antunes (coordenadoras do catálogo), "A História Partilhada, Tesouros dos Palácios Reais de Espanha", Lisboa: Fundação Gulbenkian e Património Nacional, 2014.

Catálogo muito ilustrado da imperdível exposição aberta até 25 de Janeiro de 2015 na Fundação Gulbenkian, em Lisboa. Percorrendo-o podemos aprender não só sobre a história da arte ibérica e a história de Espanha mas também sobre as ricas relações entre Portugal e Espanha (por exemplo, ficamos a saber que o Museu do Prado resultou de uma ideia de uma rainha portuguesa). Em extratexto encontra-se uma árvore genealógica da monarquia do país vizinho. Existe, além da edição portuguesa, uma outra em inglês. A Fundação La Caixa patrocinou a obra.


- Rita Sousa Tavares, "Show me Lisbon", Lisboa: Café Pessoa, 2014

Com belas fotografias de João Pina (o autor de "Condor") este livro bilingue, em português e inglês, mostra, com um design convidativo, facetas de Lisboa escolhidas por  Joana Vasconcelos (artista plástica), Richard Zenith (pessoano), José Avilez (chef), Carminho (fadista), António Costa (edil), Nicolau Breyner (actor), Maria de Medeiros (actriz e realizadora), Alexandre Farto - Vhils (artista plástico), Ana Sofis Martins (modelo), Rodrigo Leão (músico), Manuel Alves (estilista),  José Sarmento de Matos (historiador) e Ana Sofia Gonçalves (farmacêutica). No final há um "insider guide" com uma reunião de sugestões dos vários convidados. É uma Lisboa que apetece, esta que resulta do projecto de uma jornalista que já antes tinha feito o "Show me Rio".

- Manuel Valente Alves, "História da Medicina em Portugal. Origens, ligações e contextos", Porto: Porto Editora, 2014.

O autor é médico, investigador e artista plástico. Ensina História da Medicina na Universidade de Lisboa e fundou e dirigiu o Museu de Medicina dessa universidade. Esta era uma obra que faltava na nossa historiografia: uma história completa, muito ilustrada, desde os primórdios até à actualidade da medicina em Portugal, colocando-a no contexto da medicina mundial. O livro, apresentado em 114 fichas temáticas,  foi patrocinado pela Fundação Gulbenkian.



1 comentário:

  1. Recomendo esta obra de Manuel Valente Alves a quem se interesse pela investigação sobre a História da Medicina Portuguesa.
    J. J. Figueiredo Lima

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.