terça-feira, 5 de agosto de 2014

Passatempo de Verão FCT

Chegou-nos do nosso correspondente no estrangeiro, arguto analisador da "avaliação" da ciência portuguesa, este "Passatempo de Verão FCT", que temos o maior gosto em divulgar:

Tendo em conta que a maior parte dos investigadores estará de férias, e se calhar só 50% estão preocupados com a avaliação (deixamos à vossa escolha se são os 50% que passaram à segunda fase ou os que não passaram; a resposta depende se os primeiros já tomaram consciência do que os espera no final de Dezembro), aqui fica hoje um pequeno passatempo.

A ideia é descobrir quantos erros é que há na justificação apresentada pela FCT reproduzida aqui a partir de uma notícia do jornal “Público” de 18 de Julho:

«Esta sexta-feira, após a divulgação dos contratos, o PÚBLICO questionou novamente a FCT sobre a definição prévia de uma quota de sucesso. A fundação, através da sua porta-voz Ana Godinho, justifica que aquele valor dos 163 centros era apenas “uma estimativa” feita com base na avaliação de 2007: “[Nessa altura] cerca de 50% das unidades teve Mau, Razoável ou Bom.”»

Esta justificação, apresentada pela primeira vez pela referida porta-voz da FCT, tem sido depois repetida pela direcção da FCT para justificar a não existência de quotas.

mostrámos anteriormente porque é que a justificação dada acima sobre a indicação do número de centros a passar à segunda fase que surge no contrato não é séria.

Resumidamente, pretende a FCT que esta estimativa, baseada no número de centros com as classificações correspondentes na avaliação de 2007, tinha como único propósito permitir estabelecer o valor a pagar à ESF. Para além da comparação não fazer sentido nenhum uma vez que tanto a escala de classificações como os financiamentos foram alterados, o facto de esta instrução também surgir num anexo do contrato onde estão descritos os procedimentos a seguir pelos painéis não deixa margem para dúvidas sobre o que a FCT encomendou.

Mais precisamente, é indicado nesse anexo o que se espera do resultado da primeira fase, a saber,

“Stage 1 will result in a shortlist of half of the research units that will be selected to proceed to stage 2.”

Contamos pois já dois erros: o número indicado não era uma estimativa, mas sim uma consequência das instruções dadas aos painéis sobre o que devia ser o resultado da primeira fase da avaliação, e o facto de não se poder comparar duas escalas de classificações e financiamentos diferentes – aliás, estes erros já apareciam identificados na notícia do "Público" mencionada acima.

Mas conseguirá o leitor atento descobrir mais erros?

As respostas poderão ser enviadas para dererummundi@gmail.com até às 17h de sexta-feira dia 8 de Agosto, colocando “Passatempo de Verão FCT” no assunto da mensagem. Como é hábito neste tipo de iniciativas, os funcionários da FCT (e os seus familiares) não podem participar por possuírem informação privilegiada.


Os vencedores do Passatempo receberão o título de "FCTbusters" honorários.

1 comentário:

  1. Eu faria um pequeno ajuste a posteriori das regras do passatempo.... Algo do género:
    De todos os participantes (independentemente de conseguirem detectar mais erros), cerca 50 % passarão à segunda fase do passatempo. Aí prometemos exotismo mais sofisticado

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.