sábado, 3 de fevereiro de 2024

ESCLARECIMENTOS SOBRE O FUTEBOL

Por Eugénio Lisboa
 
Publiquei neste prestigioso DE RERUM NATURA um texto sobre o futebol, que gostaria não fosse mal compreendido.

Nada tenho contra o futebol, em si, como nada tenho contra a maior parte dos desportos, que todos, nos seus melhores momentos, relevam da grande arte. Nunca me esquecerei da funda admiração que de mim se apoderou, ao ver alguns momentos geniais de Pelé, Eusébio ou outros. Esses momentos são o cúmulo da arte e ficam para sempre na nossa memória. Além disso, na minha juventude, pratiquei futebol, e, na minha modesta categoria, fui um razoável guarda-redes… 
 
Dito o que acima fica dito, quero, mais uma vez, esclarecer que estabeleço uma grande diferença entre desporto, com o seu espírito próprio, qual no-lo legaram os gregos antigos, e desporto profissional, que constitui uma infame perversão do desinteressado e não mercantilista espírito desportivo, próprio dos Jogos Olímpicos.

A minha saga tem sido contra o futebol profissional e o pântano ético e estético em que inevitavelmente se afunda essa nobre arte, ao acolher-se a mercados milionários e mesmo obscenos, onde o verdadeiro amor à camisola fica para melhores dias e o talento se prostitui em leilões vergonhosos. Por alguma razão os gregos antigos davam, como prémio, aos campeões olímpicos, uma coroa de louros, sem qualquer valor material.

Nos seus memoráveis ensaios, o Professor de Filosofia, Sílvio Lima, previu, já há muitas décadas, que o desporto profissionalizado, além de trair o verdadeiro espírito do desporto, viria a desaguar no triste espectáculo que está actualmente a dar o Futebol Clube do Porto e outros clubes já deram no passado recente. 
 
Este pântano gigantesco, que alguns advogados tentam minimizar, está implícito na profissionalização megalómana a que temos assistido. E a qual produz coisas cómicas como esta: o salário mensal de um prémio Nobel da Física deve ser, mais ou menos, igual à gorjeta que um Ronaldo deixa à mesa de um restaurante…

Para terminar, deixo aqui uma útil informação: a obra completa de Sílvio Lima encontra-se disponível, em dois volumes, na Fundação Calouste Gulbenkian. Além dos ensaios sobre desportismo profissional, lá encontrarão o nunca assaz louvado ENSAIO SOBRE A ESSÊNCIA DO ENSAIO, tão útil para amansar o perigoso dogmatismo que infecta tantos nossos intelectuais.
Eugénio Lisboa

2 comentários:

Anónimo disse...

Fidel Castro considerava que o desporto deveria ser,“um direito do povo, não um direito dos ricos”.

JOGOS OLIMPICOS

CUBA
Ouro 84
Prata 69
Bronze 82
Total 235 medalhas.


PORTUGAL
Ouro 5
Prata 9
Bronze 14
Total 28 medalhas.

Sr. Eugénio Lisboa, agora sabemos como foi isto possível, está escrito, é o Socialismo, já para não falar da Saúde e Medicina.

Cumprimentos,

Anónimo disse...

Temos 5 medalhas de Ouro e dessas 1 (a última conquistada) foi "oferta" de Cuba.

"Nós, professores, já não lemos. Nem sequer estudamos."

O artigo que aqui traduzimos, assinado por Diego Garrocho, não traz nada de novo, mas o que traz é importante, fundamental, precisa de ser r...