domingo, 24 de abril de 2022

SETE LIÇÕES E MEIA SOBRE O CÉREBRO


Meu último artigo no JL (no jornal houve uma gralha sobre o número de neurónios):

Alguns dos livros de divulgação de ciência com maior êxito são concisos. Por exemplo, o astrónomo Neil deGrasse Tyson é o autor de Astrofísica para gente com pressa (Gradiva, 2017) e o físico italiano Carlo Rovelli  é o autor de Sete breves lições de Física (Objectiva, 2015). Tanto uma como o outra obra venderam mais de um milhão de cópias em dezenas de línguas. Se o êxito de Tyson era previsível, uma vez que o autor é muito popular, o mesmo não se passou com Rovelli, uma autêntica revelação. Curiosamente tanto um como outro têm origem num conjunto de artigos, num caso na revista Natural History e no outro num jornal italiano. O segredo dos dois, para além da concisão, é uma escrita clara.

Acaba de sair na Temas e Debates/ Círculo de Leitores um português um titulo parecido com o de Roveli, mas sobre neurociências. O título é Sete lições e meia sobre o cérebro e a autora é Lisa Feldman Barrett (n. 1963, em Toronto, Canadá), professora de Psicologia da Universidade de Northeastern, em Boston, nos Estados Unidos. A sua investigação sobre as emoções colocaram-no no top 1% dos cientistas mais citados na sua área. Este é ao seu segundo livro de divulgação: o primeiro foi How emotions are made (2017). O neurocientista norte-americano David Eagleman (autor do recente Incógnito, Lua de Papel, 2022) elogiou-o: «Escrita bela e visões sublimes que vão fazer explodir a sua mente como num fogo de artificio.»

A carreira científica de Barrett não era previsível. A sua família pertencia à classe média baixa, sendo a mãe uma secretária que pretendia que a filha aprendesse secretariado, ao passo que o padrasto só queria que procurasse um emprego no final do secundário. Lisa tornou-se a primeira pessoa da sua família a fazer estudos universitários, ao concluir uma licenciatura em Psicologia na Universidade de Toronto. Depois iniciou a doutoramento em Psicologia Clínica na Universidade de Waterloo, com o fim de dar consultas nessa área. Enveredou, porém, pela carreira de investigação, por ter tentado experiências simples de psicologia, distribuindo inquéritos, e ter falhado vezes seguidas na obtenção dos resultados previstos. Os resultados consistentes que obteve levaram-na a surpreendentes descobertas sobre emoções, como tristeza e alegria. Não só se doutorou, como, depois de algumas estadas noutras universidades, se tornou uma especialista mundial em emoções. É autora da «teoria das emoções construídas», segundo a qual as emoções não estão inscritas no nosso cérebro, sendo antes previsões ou construções que o nosso cérebro faz, em cada circunstância particular, de acordo com a nossa experiência. As emoções não são universais: diferentes experiências em diferentes culturas conduzem a emoções diferentes.

A meia-lição, a abrir, intitula-se «Um cérebro não é para pensar». Explica, numa base evolucionária, que um cérebro serve essencialmente para regular a eficiência energética de um organismo: controla a água, o sal, a glicose, etc., de modo a manter um bom metabolismo. A Lição n.º 1 intitula-se «Temos um cérebro (e não três)». A autora recusa a ideia muito difundida de que temos três sistemas no cérebro: um «cérebro de lagarto», um cérebro emocional e um cérebro racional. Esta teoria, transmitida nos Dragões de Éden de Carl Sagan, está  errada. Temos, por isso, de ultrapassar a ideia de Platão de que as nossas acções resultam de um jogo de instinto, emoção e razão. A Lição n.º 2 é «O nosso cérebro é uma rede». De facto, o nosso cérebro é um conjunto de partes que funcionam em conjunto: tem 100 mil milhões de neurónios ligados. Não se trata de uma mera metáfora, mas sim da melhor descrição científica do cérebro, um órgão cuja estrutura permite redundâncias.  Nesta lição aprendi que «um cérebro não armazena memórias como ficheiro num computador. Reconstrói-as a pedido com electricidade e químicos em remoinho». As memórias não se recordam: montam-se de cada vez que é preciso. A Lição n.º 3 intitula-se «Os pequenos cérebros ligam-se ao seu mundo. O Homo sapiens tem um cérebro que, em boa parte, é construído cá fora, até cerca dos 20 anos, através de cuidadores que o «afinam» e «desbastam». A autora recorda a história dos órfãos da Roménia que definharam por falta de cuidado. A certa altura, ela despe a bata de cientista e faz afirmações políticas: «A pobreza infantil é um colossal desperdício de oportunidade humana». Mais adiante diz que não faz sentido distinguir entre o inato e o adquirido: «Temos o tipo de inatismo que requer aquisições». A Lição n.º 4 é: «O nosso cérebro prevê (quase) tudo o que fazemos», quer dizer, os cérebros fazem previsões a partir de experiências passadas. Prevemos o que vai acontecer, com base no que já aconteceu. Podemos melhorar as nossas previsões e, por isso, somos responsáveis pelo que fazemos: «As nossas acções de hoje tornam-se as precisões do nosso cérebro para amanhã e essas previsões provocam automaticamente as nossas acções futuras».

A Lição n.º 5 intitula-se: «O nosso cérebro trabalha secretamente com outros cérebros», o que significa que somos seres sociais. Há toda a vantagem de termos os nossos cérebros ligados: «A melhor coisa para o nosso sistema nervoso é outro ser humano. A pior coisa para o nosso sistema nervoso é também outro ser humano.» Segue-se a Lição n.º 6 : «Os cérebros produzem mais do que um tipo de mente», isto é, somos todos diferentes: «Um cérebro humano específico num corpo específico, educado e ligado numa cultura específica, produzirá um tipo específico de mente». Finalmente, vem a Lição n.º 7: «Os nossos cérebros podem criar realidade.» Há uma realidade social que não deixa de ser real por ter sido criada por nós: «Participamos activa e voluntariamente neste mundo inventado todos os dias. Para nós, é real. É tão real como o nosso próprio nome, o qual, já agora, também foi inventado por pessoas». No epílogo do livro (que tem um conjunto de notas no final), a autora escreve: «O nosso tipo de cérebro não é o maior do reino animal e não é o melhor em qualquer sentido objectivo. Mas é o nosso. É a fonte das nossas forças e das nossas fraquezas (…) Torna-nos simples, imperfeita e gloriosamente humanos.» Uma bela conclusão de um livro que, lido num ápice, nos deixa a pensar.

1 comentário:

  1. Há um palhaço que vive nos escombros. Conheço-o pela flor na copa do chapéu e pelas mãos brancas de luva. Circula na poeira do céu e faz labirintos sem saída com o fino fumo do tabaco que o enrola. Ri por coisa nenhuma dentro da boca de bocejo e fita o vazio dos olhos desenhados no rosto. É praticamente velho, mas não perdeu as rugas da infância e dos braços da mãe quase imortal. A flor de amarelo murcho já não tem todas as pétalas e descai a meio da testa parecendo um sol desistido. Talvez não consiga pensar porque o vejo sempre redondo, preso no quadrado da minha janela.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

Ainda sobre o moderno e o clássico

Na continuação do texto A constante luta entre clássico e moderno João Boavida É isso mesmo, volto ao tema, do moderno e do clássico.  Se um...