sexta-feira, 4 de agosto de 2017

DAS PENAS DE GANSO ÀS ESFEROGRÁFICAS

Usada com marco divisório entre a Pré-história e a História, a escrita é um conjunto de símbolos gráficos ou grafemas reunidos em palavras susceptíveis de exprimir uma e, por vezes, mais ideias, registados num suporte material (barro, papiro, tela, papel).

Surgida há mais de 5000 anos, na Mesopotâmia, acredita-se que por engenho dos sumérios, usando pontas de madeira ou de osso em forma de cunha, sobre barro (escrita cuneiforme), a palavra escrita desenvolveu-se como uma outra via de comunicação que, embora de uso muitíssimo mais restrito, possibilitou ao homem divulgar os seus conhecimentos muito para além do seu tempo e espaço geográfico.

São múltiplos os factores envolvidos na criação deste passo importante na civilização, e um deles foi o surgimento das cidades, como exigência do progresso da economia e da sociedade.

Na Idade Média escrevia-se com penas, no geral de ganso, cuja ponta de molhar no tinteiro era fendida. Esta modalidade de escrever durou séculos e, daí que a palavra “pena” ainda hoje é usada como sinónima de caneta.

O uso de aparos metálicos, já tentado séculos atrás, só se generalizou no século XIX, invadindo escolas, escritórios e o mundo dos escritores.

Foi também neste período que se concebeu uma caneta que guardasse a tinta num reservatório (inicialmente de borracha) no seu interior.

Dispensando o uso do tinteiro, este novo invento podia andar no bolso do seu utilizador. A primeira patente deste tipo de caneta data de 1844, tem a assinatura do americano Lewis Edson Waterman (1837-1901) e ficou conhecida como “caneta de tinta permanente”.

Nestas canetas, a abertura que dá passagem à tinta, do reservatório para o aparo, é suficientemente fina, permitindo que a pressão atmosférica, à superfície da Terra, impeça a sua saída.


Porém, nas altitudes a que viajam os aviões, a diminuição da pressão atmosférica faz-se sentir nos não pressurizados, induzindo a saída da tinta para os bolsos e mãos de quem as transportasse consigo.

O jornalista húngaro Laszló Jozef Biró (1899-1985), inspirado num dispositivo patenteado em 1888, por John Jacob Loud (1844-1916) que permitia escrever usando a quantidade de tinta estritamente necessária, que secasse imediatamente, concebeu colocar uma pequena esfera na ponta do reservatório que, ao deslocar-se sobre o papel, isto é, ao escrever, rolava, trazendo para fora a tinta sem o destapar.


Nascia aqui a caneta esferográfica.

Esta nova patente foi vendida em 1944 à empresa americana Eversharp-Faber e ao industrial francês Marcel Bich, tendo sido este que a fabricou e lançou no mercado, em 1949, com a designação de “Bic”.

Dez anos depois, as Bic entraram no mercado americano e foi, a partir daí, que tiveram a explosão comercial à escala do planeta, que todos conhecemos.

A. Galopim de Carvalho

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.