quinta-feira, 29 de junho de 2017

"Não se deixe enganar" além fronteiras

O livro "Não se deixe enganar", recentemente publicado pela COMCEPT, está a ter uma boa recepção mediática pelos mais diversos órgãos de comunicação, desde a imprensa escrita, passando pela rádio, até à televisão. Já chegou inclusive a passar as fronteiras do nosso país. Nesse sentindo, partilho aqui a entrevista dada ao programa Efervesciência, da rádio galega, e a menção no European Skeptics Podcast (a partir dos 30 min). 

No Efervesciência falou-se também dos livros publicados pelo professor Carlos Fiolhais e por David Marçal, que têm escrito sobre temas idênticos e que são os prefaciadores deste livro.


5 comentários:

  1. Ui, sim, a boa recepção me®diática faz realmente prova daquilo que é a importância desse livro, oh sim!!! Meus deus, tanto doutorado ceguinho!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia,
      Tem toda a razão, claro que o mediatismo não faz prova nem da importância nem do valor do livro. Se eu tivesse dito isso, estaria a incorrer na falácia do apelo à popularidade.
      O que eu disse foi que o livro está a ter atenção mediática tanto a nível nacional e internacional, mas não fiz disso uma extrapolação para provar que o livro é importante.

      Mas já que o mencionou, sim, considero que o livro é importante, não pelo mediatismo, mas pelos seus conteúdos e pela maneira como os aborda. O livro não é mais do que uma extensão das iniciativas que temos vindo a desenvolver, na busca do esclarecimento e da eliminação de mitos. O livro está escrito de modo compreensível para qualquer leitor, sem jargão científico, e pontualmente com um certo sentido de humor.

      Eliminar
  2. É só mais um livro de 'junk scientists believers' acusando os outros de serem pseudociência, ou algo assim patético!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quanto mais livros houver a expor e denunciar os cretinos que promovem pseudo-ciência, melhor.

      Eliminar
  3. Estou certo de que se ler o livro irá mudar de opinião.
    Não só não há acusações, como até há auto-crítica. E escrito com um leve sentido de humor.
    Teria todo o gosto em receber o seu feedback, indicando quais os capítulos dos quais gostou mais e quais os que poderiam ser melhorados, na sua opinião.
    Agradeço-lhe desde já o seu interesse.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.