domingo, 27 de dezembro de 2015

O ANO DA LUZ CONTINUA


Minha crónica no último número de "As Artes entre as Letras" (baseado num post aqui saído; na imagem a instalação de luz no Porto, perto da estação de S. Bento):

No passado dia 15 de Dezembro, na Fundação Calouste Gulbenkian, numa sessão que contou com o novo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e com o novo administrador da Gulbenkian Guilherme de Oliveira Martins, foi anunciado que o Ano Internacional da Luz (AIL2015), à semelhança do que se passou noutros países, vais ser prolongado por mais seis meses em 2016. As numerosas e diversificadas actividades associadas a esse ano vão, portanto, continuar. Algumas delas, como as conferências escolares do Ano da Luz (Haja Luz nas Escolas), que se iniciaram em Março na Escola Passos Manuel em Lisboa, a exposição Janelas de Luz sobre hologramas, da autoria da Fábrica Ciência Viva de Aveiro inaugurada em Aveiro e agora na Covilhã, estão no terreno e vão prosseguir.

 A luz de dia vem-nos do Sol e de noite vem-nos dos outros astros. Salientem-se, portanto, as várias actividades de astronomia realizadas no Verão (na Reserva de Escuridão do Alqueva, onde esteve uma exposição de fotografioa astronómica na aldeia da Luz, e a Astrofesta em Castro Verde, que congregou astrónomos amadores de todo o país), O Ano chamou-se da Luz e das Tecnologias da Luz. Na Feira Nacional do Património realizada em Coimbra uma empresa de luz, Kubo, fez uma fantástica apresentação de luz no Mosteiro de Santa Clara a Velha, em Coimbra, que acresceu ao show histórico que tinha realizado antes nas fachadas do Paço das Escolas da Universidade de Coimbra, a que assistiram mais de 50.000 pessoas, no quadro dos 725 anos da Universidade de Coimbra, e ao festival de luz Lumina em Cascais, que realizou em Setembro. Também houve outros espectáculos de luz feitos por outras empresas, por exemplo em Aveiro e em Lisboa. No Porto abriu uma instalação luminosa perto da estação de S. Bento. As Câmaras Municipais estão a organizar ou a apoiar várias actividades luminosas, como o evento De várias empresas industriais associadas à luz (Lighting Lab), patrocinado pela Câmara de Águeda. O mesmo se passou com associações e ordens profissionais: a Ordem dos Engenheiros realizou um encontro na sua sede em Lisboa e outro no Funchal (na “Casa da Luz”), além de ter editado um número especial da sua revista “Ingenium”, devotado ao tema da luz.

No Porto abriu a 18 de Dezembro no Museu Nacional Soares dos Reis uma exposição que mostra instrumentos científicos do acervo do Museu da Ciência da Universidade do Porto. Em Lisboa têm estado duas exposições luminosas, muito perto uma da outra: A luz de Lisboa num torreão do Terreiro do Paço, e Na luz/ Dentro do Vidro na Galeria Millennium, na Rua Augusta. Em Óbidos, no âmbito do Festival literário, esteve uma exposição de cartoons internacionais sobre a luz, organizado pelo Museu da Imprensa do Porto. Em Coimbra esteve no Museu da Ciência da Universidade de Coimbra a exposição Visões. O interior do olho humano, da responsabilidade do Centro Cirúrgico de Coimbra, para além da sua mostra permanente Segredos da Luz e da Matéria.

Têm acontecido numerosas conferências sobre luz, designadamente na Faculdade de Ciências e no Instituto Superior Técnico, sobre vários aspectos da ciência e tecnologia da Luz, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto sobre luz e museus, e na Universidade do Minho, em Braga, sobre luz e comunicação, na Universidade de Coimbra sobre interdisciplinaridade e sobre sustentabilidade, no Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva de Lisboa, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa (Light, from the Earth to the Stars), com a presença do físico espanhol do CERN Álvaro de Rujula, e no Instituto Português de Qualidade, no Monte da Caparica, sobre metrologia. Logo na rentrée tiveram lugar vários eventos internacionais incluindo conferencias científicas na Figueira da Foz e em Faro respectivamente sobre espectroscopia e sobre técnicas avançadas de lasers. A 10 de Novembro a Comissão Nacional da UNESCO realizou no Pavilhão do Conhecimento uma conferência sobre o AIL2015 e sobre o Ano Internacional dos Solos, que é simultâneo do Ano da Luz. Mas merece especial relevo a conferência sobre luz, focado no Telescópio Espacial James Webb, que foi proferida no Porto pelo cientista da NASA e Nobel da Física John Mather, no quadro do Festival do Pensamento organizado pelo saudoso Paulo Cunha e Silva.

 Realizaram-se outras sessões sobre luz por todo o país: na Biblioteca de Viana do Castelo (Mundos de Luz), na Faculdade de Nutrição e Ciências da Alimentação da Universidade do Porto (Dia da Faculdade) e na Academia Portuguesa de Medicina e na Faculdade de Medicina, em Coimbra (também Dia da Faculdade). No Rómulo- Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra, a Noite Europeia dos Investigadores em finais de Novembro foi sobre a luz. Muito intensas têm sido as actividades no Ano da Luz da Biblioteca da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, no Monte da Caparica, dirigida por José Moura. Destaque para uma Noite da Luz, que mobilizou muita gente do campus.

Saíram na Gradiva os livros Uma Biografia da Luz, do físico José Tito Mendonça (lançado no Pavilhão do Conhecimento pelo Reitor da Universidade de Lisboa), QED, do físico Richard Feynman (nova edição com novo prefácio), Cosmicomix (banda desenhada sobre o Big Bang) e Histórias da Física em Portugal no século XX. Saiu no Centro Atlântico um belo livro sobre fotografias astronómicas da autoria de Miguel Claro (Dark Sky – Alqueva). Foi também editado um catálogo sobre os cartoons exibidos em Óbidos. A Tinta da China editou um livro sobre a biblioteca de José Pacheco Pereira contendo fotografias pin-hole.

 Nos jornais o Público dedicou o seu número de aniversário aos cem anos da teoria da relatividade geral de Einstein e está a publicar, na sua revista dominical, uma série sobre aspectos científicos e artísticos da luz. Outros jornais, como o Sol, publicaram reportagens sobre o AIL2015. A imprensa regional tem estado muito atenta ao AIL2015, através do programa "Ciência na Imprensa Regional". A RTP passou um spot sobre o ano da luz. E foram transmitidos programas sobre a luz na RTP2, em particular Sociedade Civil. A Gazeta de Matemática publicou um número especial sobre o AIL2015. A Gazeta de Física, órgão da Sociedade Portuguesa de Física vai editar em 2016 um número sobre o mesmo tema.

Houve concursos de fotografia e cinema, designadamente o concurso Luz em Flash, organizado pela Comissão Nacional do AIL2015 e o concurso organizado pela Ordem dos Engenheiros. Houve também um muito interessante concurso de joalharia sobre o tema da luz. Finalmente, os CTT realizaram uma emissão comemorativa dos dois anos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.