terça-feira, 24 de junho de 2014

A ALGA QUE QUERIA SER FLOR


Ana Cristina Tavares é doutorada em Biologia – Fisiologia Vegetal pela Universidade de Coimbra e foi durante muitos anos responsável pelo Serviço Educativo do belo Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Tem um diploma de pós-graduação em  educação em jardins botânicos outorgado pelo famoso Jardim Botânico Real de Kew no Reino Unido. Publicou pela Imprensa da Universidade de Coimbra dois guias ilustrados desse jardim, Ritmos do Jardim Botânico (2011) e, em colaboração, Plantas Aromáticas e Medicinais do Jardim Botânico (2010).

“A Alga que queria ser flor” é um livro infantil, em edição bilingue (português e inglês) que foi publicado graças  apoio do Inquire, um programa da União Europeia. A história, comentada com a ajuda das ilustrações, é muito simples: Dois meninos vão ao jardim botânico e ouvem a  a história de uma alga de um laguinho, cujo sonho era ser flor. A alga pediu ajuda à D. Botânica  Esta transformou-a primeiro em musgo, depois em feto, depois em pinha e, finalmente, em flor. Esta história, que é afinal a da evolução botânica, é documentada com algumas imagens do Jardim Botânico de Coimbra, para além das ilustrações. De certo modo  está ali a evolução vegetal! E, para ver se os pequenos leitores aprenderam, no final estes são convidados a responder a algumas questões e a escreverem ou desenharem eles próprios uma pequena história.

Recomenda-se desde o jardim de infância até ao 1.º ciclo do básico, podendo e devendo ser utilizado com uma visita ao botânico. E não se diga que o livro não se encontrar.  Existe o livro electrónico, gratuito, aqui:

E uma vez que o livro é bilingue (a edição inglesa começa na contracapa na edição em papel, a edição em inglês também está acessível. Aqui:


- Ana Cristina Tavares, “A Alga que queria ser Flor”, com ilustrações de Joana Barata, Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.