quarta-feira, 4 de maio de 2022

FREI BENTO DOMINGUES


Novo texto de Eugénio Lisboa:

Frei Bento Domingues é uma figura rara: misto improvável de bonomia, grande cultura, inteligência acutilante, límpida intrepidez e aliciante conversa, mesmo para quem não bebe nas mesmas fontes de religião e fé. Porque não preciso para nada de acreditar que Jesus Cristo ressuscitou ao terceiro dia, para me alimentar da conversa culta e de alcance universal, que Frei Bento Domingues nos serve, aos domingos, no Público. A sua conversa é rica e sedutora e tem o encanto adicional daquele “franc parler” que Stendhal tanto prezava, mas não é exibicionista: a sua coragem é limpa e não afrontosa, o seu saber roça quase sempre a sua asa pela sabedoria do mais alto quilate. 

Frei Bento Domingues é um católico cuja serventia vai muito para além de uma clientela católica. É um católico que nunca se deixou ficar refém de nenhum poder, nem mesmo do poder da Igreja que professa. Espírito luminoso, de uma bondade alegre e destemida, ele não teme o exame nem os resultados deste. 

Dizia G. K. Chesterton que quem acende uma luz é o primeiro a beneficiar dela. Ao longo da sua vida de discreto mas grande estudioso, Frei Bento Domingues tem acendido muitas luzes.

Há já muitos anos, tive o privilégio de estar com ele, por mais de uma vez, em mesas redondas: o cristão e o ateu. Demo-nos muito bem. Fiquei a tê-lo como amigo, mesmo que nunca mais nos tivéssemos visto. Há amigos assim: considero Montaigne meu amigo e nunca nos vimos e nem sequer vivemos no mesmo século. 

A luz que a candeia deste frade emite dá para todos, não apenas para os residentes de uma paróquia de reduzida dimensão. É a luz universal dos sábios e dos bons. 

 Eugénio Lisboa

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

A Prima Bette de Honoré de Balzac

[A Prima Bette é o último romance de Honoré de Balzac. Aproveitando que tinha começado a ler uma versão muito elegante do livro publicada re...