segunda-feira, 26 de abril de 2021

BREVE HISTÓRIA DAS PANDEMIAS


Meu artigo na revista HAJA SAÙDE dos estudantes de Medicina na Universidade do Minho:

A pandemia da COVID-19, devida ao coronavírus SARS-CoV-2, é uma das maiores epidemias dos últimos cem anos. No século XXI tivemos, por ordem cronológica: em 2002-03, o SARS – Síndroma Respiratório Agudo Severo, surgido na China, causado pelo SARS-CoV-1, que originou cerca de 800 mortos; em 2009-11, a gripe A ou suína, causada pelo H1N1, que pode ter provocado meio milhão de vítimas mortais em todo o globo; em 2012, o MERS – Síndrome Respiratória do Médio Oriente, em 2012, causado por um outro coronavírus, resultou num número de mortos semelhante ao do SARS; em 2014-16 o Ébola, devido ao vírus homónimo, causou cerca de 11.000 mortos na África Ocidental. Em Portugal, circularam as notícias de todas essas pandemias, mas quase todas elas se passaram em geografias suficientemente distantes para não nos suscitarem grande inquietação. De facto, só a gripe A foi uma pandemia. Causou algum susto em Portugal, mas só provocou 122 mortes, tendo sido inútil uma grande aquisição de antivirais.

Todas estas epidemias anteriores não tiveram a letalidade de algumas epidemias do século XX. Há que destacar pela letalidade as várias ondas de gripe: em 1918-19, «gripe espanhola» (um nome impróprio, pois ela provavelmente teve inicio nos EUA), devida ao H1N1, que originou mais de 50 milhões de mortos; em 1957-58, a gripe asiática, devida ao H2N2, com mais de um milhão de mortos; e, em 1968-70, a gripe de Hong Kong, devida ao H3N2, com um milhão de mortos. Acresce, desde 1981, a SIDA, devida ao vírus HIV, com mais de 30 milhões de mortos em todo o mundo até hoje, uma doença do sistema imunitário que, apesar de os seus efeitos estarem actualmente muito limitados por campanhas preventivas e tratamentos inovadores, continua a fazer vítimas.

Em Portugal, a “gripe espanhola”, aqui dita pneumónica, causou 135.000 mortos, um número significativo numa população bem menor do que a de hoje. Foram três as vagas, a mais letal foi a segunda, ao causar uma sobrereacção do sistema imunitário de jovens entre os 25 e 35 anos. A gripe asiática, vinda de Moçambique, vitimou entre nós 2050 pessoas. Mais do que a gripe de Hong Kong. A SIDA, que teve o primeiro caso português em 1983, já causou entre nós mais de 11.000 mortos.

Na história mais antiga houve pandemias ainda mais assustadoras. Vinda da China, chegou à Europa em 1347-51 a peste negra, devida à bactéria Yersinia pestis, que causou cerca de 200 milhões de mortos. Esse flagelo voltou depois a eclodir por várias vezes, caso da “terceira praga” na China em 1855. Uma outra doença terrível foi a varíola, causada pelos vírus Variola majoris e minor, que surgiu em vários surtos ao longo da história, com mortalidade difícil de estimar (mas, só no século XX, causou mais de 300 milhões de mortos). Grassaram ainda: a cólera, com meia dúzia de surtos entre 1817 e 1923, devida à bactéria Vibrio cholerae, que causou mais de um milhão de mortos e continua a causar; a tuberculose, com grande incidência no século XIX, devido à bactéria Mycobacterium tuberculosis identificada em 1822 pelo alemão Robert Koch, que causou e ainda causa muitas mortes anuais; e a gripe russa, em 1889-1890, devida ao H2N2, com um milhão de mortos. E houve outras epidemias: o tifo, a poliomielite, o sarampo, etc.

Em Portugal, a peste negra chegou em 1348 e ressurgiu várias vezes. Uma das últimas foi no Porto em 1899, levando ao afastamento para Lisboa do médico Ricardo Jorge, que tinha preconizado um cordão sanitário, e vitimando na flor da idade um outro médico famoso, Luís Câmara Pestana. A varíola tem uma ampla história entre nós, incluindo um surto coincidente com a pneumónica. A cólera teve entre nós vagas em 1833 e 1855-1857.

A nossa ciência e os nossos serviços de saúde cresceram extraordinariamente à medida que aumentava o nosso conhecimento dos microorganismos e da sua acção no nosso organismo. A medicina experimentou um progresso contínuo: nos comportamentos (o distanciamento social, as máscaras e a higienização já se usavam na gripe espanhola), nas vacinas e nos fármacos. As vacinas tiveram um impressionante sucesso. O inglês Edward Jenner foi pioneiro ao criar a vacina da varíola em 1796, que permitiu erradicar a doença em 1980. A vacina da BCG – Bacilo de Calmette e Guérin, dois franceses – restringiu a tuberculose a partir de 1906. A vacina da pólio, devida ao americano Jonas Salk, tem diminuído a poliomielite desde 1955 E a vacina do sarampo, de 1963, eliminou esta doença em muitos países – tendo regressado só pela acção perversa dos movimentos anti-vacinas.

Aprendemos muito ao longo da história. Hoje, na luta contra a COVID-19, estamos em muito melhor posição para vencer uma pandemia. Foi o conhecimento do código genético e da maquinaria molecular dos seres vivos que nos permitiu fabricar tanto testes moleculares como vacinas inovadoras baseadas no m-RNA. Os testes foram quase imediatos ao aparecimento da doença e a vacina demorou escassos dez meses. Estes avanços dão-nos uma enorme esperança.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

Ainda sobre o moderno e o clássico

Na continuação do texto A constante luta entre clássico e moderno João Boavida É isso mesmo, volto ao tema, do moderno e do clássico.  Se um...