quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

MARIA DO CARMO VIEIRA NO PÚBLICO


Vale a pena ler Maria do Carmo Vieira:

"Professora de Português e de Francês, leccionei a última disciplina até ao dia em que retiraram os textos literários do seu ensino, substituindo-os por queijos, bandas desenhadas sem qualidade alguma e canções vulgares de letra chã. Mas o mais grave foi o que aconteceu com a disciplina do 12.º ano de Francês, de Humanidades, aquando da famigerada Reforma de 2003, com a agravante, e vem sendo habitual, de as alterações serem feitas pretensamente em defesa dos alunos. Foi assim que o “Enciclopedismo”, a “Segunda Guerra Mundial” e o “Holocausto” desapareceram do programa de Humanidades, um termo a sublinhar, porque é o pensar que está em causa. Com efeito, esses alunos, que, ao longo dos anos, e na sua maioria, sempre haviam demonstrado um imenso interesse pelas temáticas referidas, foram inesperadamente considerados “demasiado jovens para abordar a violência que representava a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto”. “Cansados estavam eles”, segundo diziam ainda, “da violência da guerra quotidianamente transmitida na televisão”. “O que queriam era vida e não morte”. Eis o que ouvi."

Mais aqui

https://www.publico.pt/2020/02/04/sociedade/opiniao/desprezarmos-memoria-bastara-acendalha-fogo-sera-devastador-1902849


Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

RETRATO DO TIRANO

Por Eugénio Lisboa  É próprio do tirano vir dizer que a vítima da sua tirania é que é culpada de cometer o mal que ele traz à sua agonia. O ...