domingo, 9 de setembro de 2018

A INVENÇÃO DO BARÃO


Meu artigo no DN de hoje (suplemento dedicado às bicicletas):

A bicicleta fez 200 anos no ano passado, pois teve a sua estreia no dia 12 de Junho de 1817. Este ano passaram 200 anos da respectiva patente, concedida em 12 de Janeiro de 1818 pelo Grão-Duque de Baden, na Alemanha, ao autor da invenção. Este foi um barão alemão, de seu nome , não apreciava o título, pelo que a certa altura pediu para ser tratado por “cidadão Karl Drais.” Nasceu e morreu em Karlsruhe, não longe de Baden-Baden, e a première da bicicleta foi realizada entre a sua casa em Mannheim e uma estação de muda de cavalos a cerca de 7 km.  A ida e volta ao longo de uma estrada que servia a mala-posta demorou cerca de uma hora, bem mais rápido do que conseguia na altura um carro de tracção animal.

O bicentenário da bicicleta foi assinalado no Technoseum, Museu de Tecnologia de Mannheim, com uma exposição intitulada “2 Rodas – 200 anos”, onde os dois zeros imitavam as duas rodas. Na exposição mostravam-se alguns dos primeiros veículos de duas rodas, chamados “draisianasem honra do barão.  Mas os franceses chamavam-lhes vélocipèdes (que tem pés velozes). Em inglês chamaram-lhes dandy-horses ou hobby-horses (cavalos chiques ou de recreio).

A primeira bicicleta quase só tem em comum com a actual o número de rodas. Não tinha pedais (ver imagem em cima). Uma barra de madeira unia as duas rodas. A roda da frente tinha um sistema de direcção muito rudimentar e a de trás um sistema de travagem não menos rudimentar. O condutor, sentado na barra, avançava ao empurrar o veículo ora com uma perna ora com outra, tal como numa trotineta, embora neste caso só com uma perna. Se o impulso fosse grande, podia conservar os dois pés no ar. O grande segredo do invento era a poupança de energia que representa o facto de o peso do condutor estar assente não sobre os pés, mas sobre as rodas. Era uma verdadeira Laufmachine, uma “máquina de andar,” como o próprio inventor lhe chamou.  

O invento da bicicleta por Drais percebe-se melhor se se contar a vida do barão. Nascido em berço de ouro (o pai chegou a juiz supremo do Tribunal de Baden), em estudante embirrou com o latim. Os pais decidiram por isso colocá-lo numa escola privada, onde aprendeu gestão florestal. Mais tarde estudou matemática, física e arquitectura na Universidade de Heidelberg, próxima de Mannheim. Feitas as necessárias provas, ganhou o título de “Mestre Silvicultor,” passando a funcionário público em 1810, mas sem ter um território florestal atribuído. Na prática o barão podia usar o seu tempo como queria, em particular para pôr em prática os dotes inventivos que revelou desde cedo. Um dos seus primeiros inventos, embora mal-sucedido, foi em 1813 um “carro sem cavalos,” um veículo a quatro rodas de propulsão humana. Drais foi também o autor de uma máquina de escrever notas do piano, de uma máquina de estenografar, de uma máquina de picar carne e de um fogão com retenção de calor. O grão-ducado, que já lhe pagava o salário, atribuiu-lhe, após a patente da bicicleta, um lugar de Professor de Mecânica, um título honorário pois o barão não tinha que ensinar nada. O privilégio foi-lhe dado apesar de a draisiana não ter sido um êxito comercial: foi vista como uma curiosidade, que alguns ricos extravagantes exibiam.  Várias razões concorreram para o insucesso. Uma foi a eclosão de revoltas na região que abalaram a nobreza. Drais viveu de 1822 a 1827 um exílio no Brasil, onde participou na expedição ao Mato Grosso de Georg von Langsdorff, um nobre germano-russo que foi médico e naturalista. Depois, e talvez mais importante, as estradas estavam esburacadas e conspurcadas pela passagem das carruagens, pelo que os draisianistas preferiam ir pelo caminho de peões, causando acidentes. Cedo a draisiana foi proibida quer em cidades europeias, como Mannheim e Milão, quer em cidades longínquas, como Nova Iorque e Calcutá, facto que mostra como a bicicleta se globalizou rapidamente.

A bicicleta haveria de evoluir até ao final do século XIX, quando adquiriu a forma que essencialmente tem hoje. Marcos dessa evolução foram a adição de pedais com tracção na roda traseira, que foi aumentada, pelo ferreiro escocês Kirkpatrick MacMillan, em 1839 (à esquerda); a passagem da tracção dos pedais para a roda da frente realizada pelo serralheiro francês Pierre Michaux, em 1861 (estes modelos de roda dianteira grande - ver em baixo ao centro- foram descontinuados devido aos enormes tombos que proporcionavam); e, finalmente, o modelo moderno, dito de segurança, com duas rodas iguais e pedais que puxam a roda de trás, que se ficou a dever ao industrial inglês John Kemp Starley, em 1885 (em baixo à direita). Uma posterior inovação importantíssima foi a dos pneus. O veterinário John Dunlop inventou em 1887 a câmara de ar para o triciclo do seu filho, lançando toda uma indústria de pneus para bicicletas que os carros iriam aproveitar. Pouco depois, os irmãos franceses Édouard e André Michelin (os mesmos que criaram os Guias Michelin) querendo ajudar um ciclista cujo pneu estava colado à roda, inventaram um outro tipo de pneu.

Curiosamente, Mannheim é a terra da primeira bicicleta e também do primeiro carro: O primeiro carro comercial foi patenteado em 1886 pelo engenheiro Karl Benz (1844-1929), cuja empresa começou por ser uma oficina de bicicletas. A primeira viagem automóvel de longa distância foi feita pela Senhora Benz, sem que o marido soubesse, quando resolveu, em 1888, visitar a mãe, que morava a mais de 100 km de Mannheim. Mas há mais uma coincidência entre os inventores da bicicleta e do carro: não só nasceram ambos em Karlsruhe, como foram aí vizinhos.

Drais morreu doente (tornou-se alcoólico) e arruinado (quase só tinha a sua draisiana), mas hoje a sua campa em Karlsruhe é mantida por uma associação de ciclistas. Sem ele não teríamos bicicletas!


Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.