quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

QUANDO MORRE UM VELHO, HÁ UMA “BIBLIOTECA” QUE SE FECHA PARA SEMPRE


A minha “biblioteca” é bem pequena, vale o que vale, mas é a minha e nela está o que a escola, os livros e a vida me ensinaram.

Tem sido e continua a ser meu propósito pôr cá fora o que puder, enquanto é tempo, enquanto as capacidades físicas e intelectuais o permitirem. Vou a caminho dos 86 anos em caminhadas rápidas para o “fim da linha”, situação que, aliás, encaro com toda a normalidade e me não perturba minimamente. Estou como o Prof. Agostinho da Silva, de quem fui amigo e com quem convivi nos últimos anos da sua vida,

“Não corro como corria
nem salto como saltava
mas vejo mais do que via
e sonho mais que sonhava”.

Acordo todos os dias com alegria de estar vivo e cheio de ideias para os viver. E entre essas ideias, as mais importantes são as que me trazem aqui ao computador e, digitando letra a letra, passá-las ao monitor, em Areal 16, a quem as quiser ler.

Já o disse, em várias ocasiões, que nestas horas e nesta minha maneira de partilhar com os outros, não tenho idade, não tenho dores nem coronárias entupidas e esqueço os problemas, sempre muitos.

Pela experiência destes anos de participação regular e contínua em blogues e no Facebook, e pelos retornos que me chegam, verifico que esta minha maneira de continuar a exercer, à distância, a profissão que foi a minha, tem sido útil e dado satisfação a muita gente. Isto dá-me uma imensa compensação e faz com que todos os dias procure partilhar algo daquilo sei ou julgo saber, com a simplicidade e a humildade de quem soube caldear os elitismos do meio que frequentou, por mais de quarenta anos, com uma saudável ruralidade e a frontalidade que bebeu nos campos do Alentejo.

Bom dia a todos!

A. Galopim de Carvalho

4 comentários:

  1. Sem dúvida Sr Prof, um velho é uma biblioteca e o sr em particular. Essa palavra relacionada com o senhor tem o sentido de preciosidade e nobreza.Os seus escritos são sempre apreciados. Parabéns e continue a brindar-nos com sua maravilhosa escrita. Um leitor que sempre gostou de o ouvir.
    Francisco Correia

    ResponderEliminar
  2. Parabéns Professor Galopim de Carvalho pelo seu testemunho de vontade de viver e transmitir aos outros o muito do seu Saber e, principalmente, a humildade que só as "grandes almas" (no sentido lato da expressão) conseguem ter.

    ResponderEliminar

  3. Tem-nos dado textos de grande qualidade, o professor Galopim de Carvalho. É realmente um exemplo de como a idade apura muitas qualidades e permite compreensões e interpretações mais difíceis ou até impossíveis noutras idades.Sem lhe tirar o rigor científico, de que sempre dá mostras. Lembro muitos dos seus textos, mas houve um que apreciei muitíssimo onde relatava o seu primeiro dia de escola. Era um texto muito bonito, além de revelador duma escola e duma época que os mais antigos ainda viveram, e onde obviamente se reconheceram.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.