terça-feira, 4 de setembro de 2018

PSEUDOCIÊNCIA NA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Nils-Axel Mörner nega as previsões de subida do nível do mar.

A Faculdade de Letras da Universidade do Porto acolhe um congresso de negacionistas (não confundir com cépticos) das alterações climáticas, com o beneplácito de uma professora da casa, sendo divulgado pelos meios da Universidade.

Se dúvidas houvesse, logo às 11h20 um tal Nils-Axel Mörner vem explicar que estamos a pouco mais de uma década de uma "pequena idade do gelo". O nome é importante, porque é um dos argumentos de autoridade da pseudociência: pessoas ditas muito importantes asseguram que uma coisa é verdade. Só que a ciência não se baseia nisso, mas em provas. Nils-Axel Mörner, Scientific Committee Advisor da conferência, é de facto uma pequena estrela da pseudociência, climática e não só. Defende, entre outras coisas que se podem usar pêndulos e varas para encontrar água.

Já devíamos ter ultrapassado isto. Há um consenso científico acerca das alterações climáticas. Toda a conferência é um enorme exercício de pseudociência, com muitos gráficos sem sentido para impressionar. 

Não é a primeira vez que as universidades disponibilizam os seus espaços para acolher pseudociências, as terapias alternativas são já presença assídua. Alugam não só as salas mas a sua credibilidade.

Fico à espera que a Faculdade de Letras da Universidade do Porto acolha uma conferência sobre a Terra Plana.

14 comentários:

  1. Já houve muitos mínimos solares na História, e estamos a entra noutra fase dessas. Qual é a sua dúvida Sr. Marçal? Porque é que desta vez tem de ser "alterações climáticas"? Não de diga que tem medo do CO2? Quem será aqui o pseudocientista Sr. Marçal? De facto, a sua Terra é plana...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostava de ver o que vai pela cabeça das pessoas que parecem pensar que os cientistas que dedicam a sua vida inteira a um assunto nunca se lembraram de incluir um factor que os iluminados sugerem num blogue.

      Mas diga-me: como é que um mínimo solar gera um aumento de temperatura na Terra? Já que parece estar tão por dentro do assunto.

      Se a Terra do Marçal é plana, a sua é oca, como o vazio de conteúdos dos negacionistas.

      Eliminar
  2. Porquê tanta hostilidade, caro David Marçal? Os conferencistas não têm direito a expor as respectivas opiniões? Tem medo de não conseguir rebater as opiniões deles ?

    Já agora : qual é a diferença entre negacionista e céptico. Explique lá, por favor, para eu saber que título devo mandar imprimir nos meus novos cartões de visita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Respondendo às duas questões:

      - Os pontos dos negacionistas já foram rebatidos vezes sem conta neste mesmo blogue;

      - Um céptico procura as respostas às suas perguntas. Um negacionista, depois de as encontrar, vai à procura de outras, como é o caso.

      Eliminar
  3. O único aumento na temperatura é nas orelhas do Marçal, que ou anda às escuras ou então "ainda é iluminado a petróleo". A minha questão é simples:
    Porque insiste o Marçal em desinformar, quando poderia agir de modo inverso? Essa é a grande questão! Deixo só um pequeno exemplo e não me venha com desconversa sobre o uso a vídeos, pois vou concluir que de facto ainda "vive iluminado a petróleo":

    Grand Solar Minimum Easily to Understand Extreme Weather Timeline
    https://www.youtube.com/watch?v=jXlXjvaKo1w#t=08m29s

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, mais um que pensa que um ciclo de 11 anos explica efeitos contínuos ao longo de mais de 150 (pista: não o explica).

      Eliminar
  4. «Fico à espera que a Faculdade de Letras da Universidade do Porto acolha uma conferência sobre a Terra Plana.»

    E porque não? Afinal, os «flat-earthers» - pelo menos a julgar pelas declarações do líder daqueles nos EUA, em 2013 - acreditam no «aquecimento global antropogénico»:

    https://www.salon.com/2013/06/25/flat_earth_society_believes_in_climate_change/

    Como os franceses costumam dizer, «os bons (?) espíritos encontram-se». ;-)

    ResponderEliminar
  5. interessante , há séculos era Deus e santa Bárbara que interferiam no tempo , agora é o homem todo-poderoso...valha-nos a sensata paleoclimatologia para por os pontos nos i.
    e é tão engraçado ver os que mandam no mundo (excepto o rei vai nu do trumpetas) dizer que é possível sol na eira e chuva no nabal, crescimento económico e arrefecimento, e ver os sem meio neurónio a engolir a mitologia pós pós moderna :)

    ResponderEliminar
  6. Pessoalmente, gostava de ver este blogue afastado destas intrigas e futilidades. A moda das queixinhas sobre pseudociência aborrece e desgraça este blogue, tal como o avanço do Saber. Recordo que Piers Corbyn é um entre muitos cientistas que se afastam da ciência corrompida, cozinhada à medida da política. O que os dados mostram é que "Climate Change is Junk Science" e "There is No such thing as man-made Climate Change". Além disso, o Professor Henrik Svensmark já fez prova científica da relação entre actividade solar, raios cósmicos e a formação de nuvens. A prova foi tão politicamente incorrecta que acabou abafada pelos mesmos Média tendenciosos. Tudo isto é público!

    Climate & Cycles of Civilization What to Expect Moving Into 2025 (685)
    https://www.youtube.com/watch?v=umg4jcvOvOs


    ResponderEliminar
  7. Muito bem, David Marçal. Realmente, o país é pobre não por acaso mas porque merece. E merece por haver tantas pessoas que se esforçam para isso.

    ResponderEliminar
  8. Continue David Marçal a combater a pseudo-Ciência com coragem. A anónimos não se responde.

    ResponderEliminar
  9. Tem razão, o país é pobre porque a acefalia grassa!
    Enfim.

    ResponderEliminar
  10. Estive na conferência a assistir. O senhor esteve lá??? Comparar o que foi apresentado com os defensores da Terra Plana é ridículo. E desde quando o consenso científico é equivalente à verdade absoluta? Pergunto, em que condições estão instalados os instrumentos que fazem as medições para que se conclua que a temperatura média da Terra está a subir ou a descer? Há quantos anos? Que manutenção é feita? Qual a resolução, o erro, etc??? É, isso sim, grave, fazer afirmações alarmistas como os senhores terroristas do clima fazem! Até inventam que os tsunamis são culpa do aquecimento global!!! Vi muita gente criticar a conferência mas ninguém teve a CORAGEM de aparecer lá a contestar o que foi apresentado. Os negacionistas sois vós!!! É fácil falar atrás do ecrã do computador...

    ResponderEliminar
  11. Confundir a critica à sobrevalorização da influência humana nas alterações climáticas dos últimos 30, 50, 100 anos(o que foi defendido na conferência) com a inexistência de alterações climáticas (o que é falsamente dito neste artigo, como tendo sido defendido na conferência) é não fazer o mínimo de ideia do que é climatologia e mais grave, é demonstrativo da profunda ignorância de quem escreveu este artigo, que só demonstra um profundo desrespeito pelos cientistas responsáveis pela organização e que participaram no evento, muitos deles catedráticos e dos melhores especialistas europeus nas suas áreas.
    Estudem em vez de virem para aqui mandar "postas de pescada" do que não sabem...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.