quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Dois grandes obstáculos para se entrar nas engenharias

Terei lido bem? Samuel Silva, jornalista do Público, enganou-se?
"No Verão passado, quando foram divulgados os resultados dos alunos do 12.º ano nos exames nacionais, o CCISP tinha alertado que as más notas dos estudantes a disciplinas como Física e Matemática eram um obstáculo para o acesso a alguns cursos, nomeadamente de engenharias que exigem estas duas disciplinas como específicas. A proposta agora feita visa, por isso, facilitar o acesso destes estudantes ao ensino superior".
Tire o leitor as suas próprias conclusões aqui.

1 comentário:

  1. Palavra que por mais que tente não consigo discernir o princípio que preside a este governo em matéria de educação. Primeiro parece querer implantar exames e mais exames. Reimplantar a cultura do exame. Em seguida parece seguir e aceitar a ideia de que os alunos têm de deixar de chumbar. Ou de ficar retidos, como agora se usa, pretensamente para não magoar tanto o ego dos visados. Motivo: dá muito prejuízo ao Estado tanta retenção. E logo veio o senhor ministro concordar e dizer que têm de se atacar as dificuldades desde o início, porque as retenções assim e assado. O senhor ministro devia ler umas coisas de pedagogia, experiências noutros países que quase acabaram com as retenções. Porque o que vai propor é mais do mesmo que já se provou não ser remédio. E a escola quase será obrigada, de novo, a mascarar resultados.

    E agora o exame mais fundamental - as disciplinas específicas de cada curso - vai deixar de contar? Nas engenharias? Bom...é que o futuro das nossas pontes estradas, habitações e etc etc fica comprometido. Ou será que os engenheiros dos politécnicos vão ser outra coisa?

    E o que lucram os politécnicos? Bom...talvez lucrem bastante. Mas prejudicam o país.

    O governo vai analisar a proposta...supõe-se, portanto, que, para o governo, tem viabilidade.

    O que será que falta acontecer.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.