segunda-feira, 29 de setembro de 2014

PREVISÕES VERIFICADAS

Em post aqui inserido - Previsões - previ a vitória do "Não" no referendo na Escócia e a vitória bastante clara de António Costa nas primárias do PS. Acertei nos dois casos. Quanto ao terceiro - a eleição no Brasil - e porque não posso acertar tudo, parece-me hoje que me enganei quando falei da possibilidade de vitória por uma unha negra de Marina: Dilma deve ganhar.

2 comentários:

  1. E quem neste país falhou essas previsões? A única dúvida era a expressão da vitória do António Costa, e aqui o Fiolhais adornou a previsão não quantificada já depois do resultado: do inicial "ganhará claramente" (uns 60%-40%?), para o agora - como se fosse o mesmo - "vitória bastante clara"...

    ResponderEliminar
  2. Cada vez mais convence que o currículo o que menos importa, cá nos brasileiros estamos a este dilema desfraldado e, na bandeira (pendão democrático) o descreve "ordem e progresso" no próximo dia cinco de outubro teremos o resultado deste legado Democrático sob inédita parcial de duas mulheres (completamente opostas) destinadas ao mesmo ideal na disputa eleitoral a presidência da República Federativa do Brasil.

    Claramente a situação brasileira fruto de alguma (laranja azeda) no cesto embora os números bastante favoráveis de acordo com a realidade desta sítio tem-nos proporcionado um crescimento assustador, encarando o desenvolvimento a grandes cidades com autonomia financeira para agregar qualidade de vida de modo questionável.

    Contrapartida a sociedade tem deixado desejar ou seja falta estreitar laços na desigualdade educacional embora universidades absorvam a diversidade cultural o Brasil estima a defasagem na competência a futura geração resultante do nível de "stress" destes grandes centros: cidades a exemplo de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte onde é frequente o estímulo a concorrência agressiva esquecendo os valores que legitimam o próprio conceito social.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.