quinta-feira, 30 de maio de 2024

CRATERA OCULTA DE CHICXULUB

Por A. Galopim de Carvalho
 
Descoberta em 1978 pelos geofísicos Glen Penfield e António Camargo, em trabalhos de prospecção de petróleo, ao serviço da PEMEX, Mexican State Oil Company, esta enorme estrutura oculta, com 180 km de diâmetro, testemunho de um megaimpacto, com centro próximo da localidade de Chicxulub (nome de origem maia), no México.

Estudos mais recentes sugerem que a verdadeira cratera tem cerca de 300 km diâmetro, e que o anel de 180 km, inicialmente admitido, é o de uma sua parede interior. Oculta, em parte, sob a Península do Iucatão, a Sul e, em parte, sob o mar, a Norte, tem sido citada como uma das maiores crateras conhecidas no mundo. Estima-se, em cerca de 10 km, o diâmetro do asteróide que a causou.

Amostras com quartzo de choque ou de impacto e tectitos e outras de argila castanho-esverdeada com um excesso de irídio (relativamente à média nas rochas da superfície da Terra) provenientes das áreas circundantes e a prova de uma anomalia da gravidade, corroboram a origem meteórica desta estrutura. Em apoio da mesma interpretação estavam as evidências de metamorfismo de impacto nas amostras de rochas retiradas dos poços da PEMEX. Outras ocorrências, apontando no mesmo sentido, são os depósitos espessos, heterométricos e caóticos de fragmentos de rocha, que se acreditava terem sido arrancados de algum local e depositados num outro, por um gigantesco tsunami, causado por esse megaimpacto.

Sobre esta enorme estrutura assentam margas e calcários, cujas datações mais antigas indicam-nas como sendo da base do Paleocénico, com cerca de 66 Ma. Sob estas camadas, no interior da estrutura, há vidro, brechas e os característicos grão de quartzo de impacto.

Em 2010, no culminar de múltiplos exames em domínios científicos como paleontologia, geoquímica, sedimentologia, geofísica e modelação climática, dos testemunhos encontrados, ao longo de duas décadas, um número alargado de cientistas (cerca de 40), de três dezenas de instituições de diversos países, assumiram como mais plausível que o impacto responsável por este grandioso astroblema ocorreu há cerca de 66 Ma, no limite entre o final do Cretácico (Maestrichtiano) e o início do Cenozóico (Daniano), a atrás referida fronteira K-T (sigla da expressão alemã Kreide-Tertiär, ou seja, Cretácico-Terciário) e que foi a causa da grande extinção em massa ocorrida nesse curto intervalo de tempo, incluindo a dos dinossáurios não avianos, postulada, décadas antes, em 1980, pelo físico americano Luís Alvarez e seu filho, o geólogo Walter Alvarez.
 
Nota:

Quartzo de choque ou de impacto é um tipo muito particular de quartzo observável nos grãos de rochas sujeitas a pressões elevadíssimas como acontece nas situações de impactos meteoríticos ou de explosões nucleares subterrâneas. Nestas condições de pressão intensa (mas temperatura limitada), a estrutura cristalina do quartzo deforma-se segundo certos planos no interior do cristal. Estes planos, que são visíveis ao microscópio como linhas, são a expressão visível de estruturas de deformação planar, ou lamelas de choque. Este tipo de quartzo foi encontrado no interior de cratera de Barringer. A sua presença prova que estas crateras foram formadas por um impacto de suficiente magnitude.

Dinossáurios não avianos são estes de que estamos a falar, os que se extinguiram. As aves, todas sem excepção, dos pequenos pardais às grandes avestruzes, são os (que a ciência tem vindo a demonstrar) dinossáurios avianos.


Sem comentários:

LITORAL

Por A. Galopim de Carvalho Uma definição de litoral deu-a Luis de Camões que, para além do grande poeta, foi homem de muitos saberes, com de...