sábado, 23 de setembro de 2017

PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS DE MANUEL MACHADO EM COIMBRA


Estamos em campanha eleitoral e é tempo de verificar se foram ou não cumpridas as promessas  dos políticos que se apresentaram há quatro anos e ganharam. O caso de Manuel Machado, actual presidente da Câmara Municipal de Coimbra eleito pelo PS e de novo candidato porque o PS não quis fazer uma avaliação do seu trabalho, é escandaloso. No programa de há quatro anos, que se intitulava "Valorizar Coimbra", um título que ele tem agora de repetir no seu programa  porque não valorizou o concelho (se tem de valorizar é porque não valorizou, ou não valorizou o suficiente), encontram-se, entre várias outras, estas promessas, que não foram cumpridas:

p. 8

Investimento, iParque e comércio tradicional - NÃO CUMPRIU: NÃO HOUVE INVESTIMENTO SIGNIFICATIVO, O IPARQUE ESTÁ ABANDONADO, O COMÉRCIO TRADICIONAL CONTINUA A DEFINHAR

"Exemplificando, falemos de algumas políticas concretas que vão nesse sentido. Em primeiro lugar, em  cooperação com as associações empresariais, vamos contribuir para a criação de uma agência profissional  promotora do investimento e facilitadora da implementação de novas unidades industriais e de  serviços. Em segundo lugar, vamos ajudar na dinamização do iParque, tornando-o facilitador de novos  investimentos e apostando no acolhimento de Laboratórios de I&D e de empresas produtivas, designadamente  no campo das tecnologias da saúde. Em terceiro lugar, apoiaremos o comércio tradicional,  facilitando os processos de licenciamento e criando apoios de gestão profissionalizada. Dentro da  mesma lógica, abriremos um balcão único, dedicado a iniciativas empresariais no concelho, suscetível  de lhes facultar à partida o apoio de um gestor de iniciativa."

p. 9

Rio Mondego - NÃO CUMPRIU: A CIDADE ESTÁ DIVORCIADA DO RIO, O DESASSOREAMENTO NÃO SE FEZ E O PARQUE VERDE ESTÁ SEM VIDA.

"Promoveremos o desassoreamento da Albufeira do Açude-Ponte de  Coimbra e a recuperação das margens do Mondego, entre o Parque Verde e o Açude-Ponte. Lançaremos  ainda um projeto de Hortas Municipais, se possível em articulação com a ESAC, potenciando  assim a utilização de terrenos nas margens do Rio Mondego. Exigiremos do governo e das entidades  responsáveis pelas Matas do Choupal, da Geria, de Vale de Canas e do Paul de Arzila, a sua  rápida requalificação.

p. 9

Baixa e Via Central - NÃO CUMPRIU: A BAIXA CONTINUA EM RUÍNA E A VIA CENTRAL NÂAO FOI FEITA

Em consonância com outros aspetos do nosso programa, vamos valorizar, acompanhar e facilitar as
condições de reabilitação urbana, nomeadamente, ativando a ação da Sociedade de Reabilitação Urbana,  atribuindo à recuperação da Alta e Baixa da cidade um caráter prioritário nas políticas municipais.  Entre as ações específicas prioritárias mencionamos a concretização da Via Central (Av. Sá da Bandeira/  Bota a Baixo)."

CHUC - NÃO CUMPRIU. A CIRCULAÇÃO NOS CHUC CONTINUA MÁ E NÃO HÁ NOVO PARQUE  DE ESTACIONAMENTO

"Paralelamente, reordenaremos as lógicas de circulação e estacionamento nas  instalações do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra"

Metro Mondego  NÃO CUMPRIU: GASTARAM-SE 100 MILHÕES DE EUROS SEM FAZER O METRO. AGORA QUER POR AUTOCARROS EM VEZ DE METRO

"Como questão emblemática e estratégica a resolver, pugnaremos pela conclusão do projeto do Metro
Mondego, incluindo a sua vertente urbana, como meio essencial da mobilidade, quer no concelho de
Coimbra, quer nos da Lousã e de Miranda do Corvo, bem como pela imperiosa resposta a dar às populações  destes concelhos, prejudicadas pela desativação da linha da Lousã."


Estação Coimbra B  - NÃO CUMPRIU: A ESTAÇÃO DE COIMBRA B CONTINUA NA MESMA OU PIOR POR ESTAR MAIS VELHA (OS PASSAGEIROS CONTINUAM A PASSAR POR CIMA DAS LINHAS COM PERIGO DE VIDA)

"Retomaremos o projeto da Nova Estação Central de Coimbra, como espaço de interface entre todos os  meios de transporte, descongestionando a artéria central e organizando, finalmente, todos os transportes  públicos da cidade."

p. 11

Turismo - NÃO CUMPRIU: A SINALÉTICA CONTINUA IGUAL, O SITE DE INFORMAÇÃO TURÍSTICA DA CÂMARA NÃO TEM TRADUÇÃO E NÃO HÁ NENHUMAS NOVAS TECNOLOGIAS. PIOR: OS TURISTAS SÓ VÃO À UNIVERSIDADE E NÃO À BAIXA.

"Entre as medidas que neste campo nos propomos tomar merecem destaque, não só a melhoria da sinalética  mas também o aperfeiçoamento da pluralidade idiomática da informação turística existente
na cidade, bem como um melhor e mais eficaz uso das novas tecnologias no decorrer das experiências  turísticas dos visitantes."

p. 12

Participação  - NÃO CUMPRIU: OS CIDADÃOS ESTÃO AFASTADOS DA CÂMARA, NÃO HÁ QUAISQUER ORÇAMENTOS PARTICIPATIVOS

"Isto é, fomentaremos a participação efetiva dos cidadãos na gestão municipal,  numa lógica partilhada com a dos orçamentos participativos. Como um dos passos iniciais deste
caminho, criaremos um Gabinete do Munícipe, vocacionado para tornar Coimbra mais permeável ao
protagonismo quotidiano da sua população."

p. 12

Gestão  NÃO CUMPRIU : A GESTÃO CONTINUA CENTRADA NO PRESIDENTE, SENDO COMPLETAMENTE INEFICAZ

"A gestão municipal será mais eficiente, redesenhando a respetiva organização, inovando em métodos e  procedimentos. Serão aplicados novos modelos de gestão autárquica, recorrendo a tecnologias de última  geração, criando processos de atendimento de proximidade e descentralizando o acesso aos serviços  municipais.  Neste contexto, faz sentido promover a realização de um Plano Estratégico inovador, com um horizonte  de médio prazo (2013-2025), com base no qual se possa assumir um compromisso ético com  Coimbra, assente numa governação criativa, com formas ativas de cocriação no desenvolvimento de  ideias e no apoio à criatividade e à invenção."

Freguesias - NÃO CUMPRIU, A CÂMARA DISCRIMINOU NEGATIVAMENTE UMAS FREGUESIAS EM FAVOR DE OUTRAS

"No quadro desse compromisso, será reconhecida a diversidade identitária de Coimbra, olhando-se para  cada freguesia como única, sem deixar de vê-la como igual a todas as outras, de modo a tornar a gestão  de todas elas mais eficiente, garantindo a todas igualdade de tratamento."

Fiscalidade - NÃO CUMPRIU: AS TAXAS DE IMPOSTOS CONTINUAM ELEVADÍSSIMAS, DANDO LUCRO À  CÂMARA (HOUVE UM ENORME SUPERAVIT NÃO APLICADO)

"Na lógica deste tipo de governação autárquica, procuraremos criar um ambiente fiscal propício aos
munícipes. Nesse sentido, serão estudadas as possibilidades de, no contexto de um orçamento municipal  já com grande peso de encargos fixos, baixar os impostos, como o IMI, o IMT e as derramas  camarárias, bem como prescindir de metade da receita do IRS, a que o município por lei tem direito, a  favor dos cidadãos, aumentando desse modo o rendimento disponível das famílias e empresas."

FINALMENTE, TAMBÉM NÃO CUMPRIU:

"Para tornarmos mais fácil um juízo crítico sobre o nosso desempenho político autárquico, promoveremos  a criação de um Índice de Medida do Estado de Governação Autárquica, com indicadores objetivos  dos graus de execução dos compromissos assumidos."

Manuel Machado mandou retirar o link do seu programa de 2013, que esteve aqui

http://manuelmachadocoimbra.com/wp-content/uploads/2013/09/Compromisso-Eleitoral-Valorizar-Coimbra.pdf

Mas há memória: muita gente ficou com  cópia.


17 comentários:

  1. Este texto de bota-abaixismo radical, suscita uma questão essencial sobre o real poder transformador do voto popular do povo de Coimbra:
    Se o Manuel Machado foi eleito com base em promessas, que depois não cumpriu no exercício do seu mandato à frente da Câmara, que garantias têm os conimbricenses de que outro candidato qualquer, nas próximas eleições autárquicas, adote a mesma postura desonesta de prometer mundos e fundos, e, depois de eleito, deixe, no terreno, tudo como está, ou ainda piore as coisas?!
    Não seria tudo mais simples, sem onerosas campanhas eleitorais folclóricas, se Lisboa decretasse, de quatro em quatro anos, um concurso público, aberto a todos os munícipes, com formação superior mínima de licenciatura, ou equivalente, dispostos a sacrificar a sua vida privada, tomando posse do penoso cargo de Presidente da Câmara, em prol do progresso económico e social das gentes concelho de Coimbra!

    João Silva

    ResponderEliminar
  2. Isso era a brincar. Não valeu. Agora o aeroporto é a sério!

    ResponderEliminar
  3. Claro que antes da eleição ninguém sabe se o candidato eleito vai cumprir o seu programa. Mas quem não cumpriu de forma tão escandalosa, não merece continuar! Essa é a escolha básica atual: continuidade ou mudança!

    ResponderEliminar
  4. Machado não anda a cumprir há 16 anos! Dezasseis!!!

    ResponderEliminar
  5. O grande edil Manuel Machado de via colher a simpatia e o apoio de todos os eleitores coimbrãos. Os que optarem por outras candidaturas, vão acabar por arrepender-se amargamente se o presidente eleito vier a ser aquele em quem votarem. Sem o Manuel Machado ao leme, Coimbra entrará em rota de colisão com o governo do Costa sempre que lhe pedirem financiamentos para projetos de uma câmara municipal ideologicamente hostil!
    Com o Machado remamos todos para o mesmo lado!

    João Silva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segundo a sua lógica absurda se o governo for PS só se deve votar no PS nas Autárquicas. Ideologicamente hostil, como se houvesse um pingo de ideolgia na retórica do Machado.... Lobbys partidários talvez....remem todos para longe.

      Eliminar
  6. Não é por o partido do governo ser o mesmo do candidato Manuel Machado que Coimbra garante financiamentos para projectos. Isso viu-se no caso do Metro Mondego. Machado apoiou Seguro em vez de Costa. Costa ganhou e retirou-lhe o tapete. É assim que o PS funciona. Com Machado, é que não há garantias de Coimbra ter o que quer que seja com o governo de Costa. Nem o peso do BE e do PCP em Coimbra lhe valem.
    Álvaro Soares

    ResponderEliminar
  7. Se o governo estivesse do lado deste presidente já teria avançado com a obra mais desejada o ramal da Lousã se nada foi feito foi apenas com o intuito de adiar e cobrar dos conimbricenses o voto da esperança como se algo fosse mudar...Machado já lá esteve antes e agora e Coimbra vive como viveu no marasmo agarrada à Universidade o resto é paisagem!

    ResponderEliminar
  8. Portanto o avençado de serviço vem nos dizer que este texto é de bota-abaixismo radical... o famoso e bem parolo não falem mal de Coimbra como se não fossem as eleições a altura ideal para mostrar o que vai mal pela cidade e por exemplo o que não foi cumprido. Diz-nos mais. Este não cumpriu mas os outros também não sabemos se vão cumprir. Portanto, o próprio apoiante diz-nos que o presidente não cumpriu mas continua a preferir este porque nao sabe se os outros cumprem ou não. Qualquer pessoa minimamente inteligente prefere então arriscar num dos outros... Ainda corremos o enorme risco de termos um presidente que cumpra.
    Para finalizar vem-nos dizer que o Costa corta o dinheiro para Coimbra... ou seja mandar a carta do medo como se não houvesse inúmeras camaras de cor diferente das do governo que sao bem governadas e até cumprem um pouco mais de promessas. Ou então este apoiante do Machado acha que a camara só foi governada bem no ultimo ano e meio. Se for assim já acha mais que a maioria.
    Bom trabalho caro João Silva vou ja votar no Machado

    ResponderEliminar
  9. Não comento posts de anónimos, precisamente porque são anónimos: não têm a coragem de se assumir.
    Mas o comentário de João Dias, o primeiro, não fica sem resposta. Um candidato não cumpriu o que disse - o comentarista admite - mas agora é melhor não tentar mudar porque o próximo vai fazer o mesmo. É absurdo!
    O melhor é mudar para o próximo não fazer o mesmo.
    Quanto à entrega do concelho ao poder central, deve estar a brincar, pelo que não vale a pena dizer nada.
    Carlos Fiolhais

    ResponderEliminar
  10. Ex.mo Sr. Carlos Fiolhais,

    A Constituição da República Portuguesa, filha de uma grande e luminosa madrugada que raiou no dia 25 de abril de 1974, dá-me o direito de defender o meu bom nome. Eu chamo-me João Silva; isso de V. Ex.a me tratar por Dias, remete para trocadilhos insidiosos do tipo "Dias e Dias à boa vida" que, nem de perto, nem de longe, caraterizam a minha vida de trabalho intelectual árduo, realizado com alegria e honestidade.
    Na vertente política, dou-lhe o exemplo do Narciso Miranda de Matosinhos. Na Idade Média, e no tempo do Estado Novo de Salazar e Caetano, o Senhor de Matosinhos era Jesus Cristo. Depois veio o Narciso Miranda, que se encheu pessoalmente, mas teve tanta influência no progresso do concelho, como eu teria tido se fosse o Presidente em vez dele.
    As últimas grandes transformações político-económicas verificadas em Portugal foram realizadas por organismos estrangeiros investidos de poderes que lhes permitiram alterar o nome aldeias portuguesas e encerrar maternidades e tribunais. Portanto, já vê, tanto faz Machado, como Mota ou Serra.
    João Silva

    ResponderEliminar
  11. Caro Senhor João Silva
    Peço muita desculpa, eu queria dizer Silva, que é o seu verdadeiro nome, embora em cima apareça "anónimo". Foi um óbvio lapso e fica aqui a errata. Pode também enganar-se a dizer o meu nome, que não me importarei. Tudo o resto que acrescenta não adianta nada. Não está a tratar da questão que apontei: a falta de lógica do seu comentário.
    Com a maior cordialidade
    Carlos Fiolhais

    ResponderEliminar
  12. "a falta de lógica do seu comentário."
    Professor Fiolhais: o que é que lhe interessa a lógica ou o nome do comentador? Não disse que não respondia a anónimos mesmo que os seus argumentos (penso eu) estejam cheios de lógica? Portanto batatas para a lógica e para a racionalidade, o que ínteressa é a coragem.
    No teorema de Pitágoras, o que interessa é o nome de Pitágoras, não a afirmação do teorema, é?
    Um blogue pode admitir anónimos ou não. Parece que há uns que admitem somente para terem o prazer de depois os xingarem? É?
    Olhe, eu preocupo-me com a validade das afirmações, não com o nome do autor.

    ResponderEliminar
  13. Caro senhor Carlos Fiolhais,

    Errare humanum est. Não é caso para pedir desculpas. Eu sou apenas um humanista que gosta de brincar com coisas sérias. Não sou coimbrão, mas é verdade que me chamo João. Se não for abusar do seu tempo e paciência, sabendo que é co-autor do Novo 12 F, pedia-lhe, por favor, que me desse uma só razão, da Física, ou das ciências da educação, que justifique o valor errado de 10m/s^2 que está sempre a aparecer nas páginas dos manuais de Física do 12.ª ano.
    Muito obrigado,

    João Silva

    ResponderEliminar
  14. Caro Senhor João Silva
    Presumo que esteja a falar da aceleração da gravidade (falta um espaço entre o número e a unidade), O assunto é off topic pelo que lhe explicarei privadamente se me mandar uma mensagem para tcarlos@uc.pt . Obrigado por ter acolhido o meu pedido de desculpa.
    Carlos Fiolhais

    ResponderEliminar
  15. A lógica do João Silva faz inveja à da famosa batata.

    P. S. - O professor Fiolhais tem uma paciência para lá da aceleração da gravidade

    ResponderEliminar
  16. Podiam aqui ter-se comentado os incumprimentos....ou mesmoa falta de ética republicana e democrática reinante...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.