domingo, 19 de fevereiro de 2017

Sim, para onde caminhar no ensino da matemática em Portugal?

No âmbito do debate Currículo para o Século XXI que está a ser implementado pelo Ministério da Educação, teve lugar no dia 13 de Janeiro de 2017 uma conferência sobre o currículo da matemática - Pensar a Matemática -, organizada pela Direcção-Geral da Educação e que agora está disponibilizada online.

Vale a pena ver a mesa redonda Educação Matemática em Portugal – Para onde caminhar? na qual intervieram a Sociedade Portuguesa de Matemática, a Associação de Professores de Matemática e a Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática.

A impressão de quem está de fora é a de que, em Portugal, depois de tantas tentativas para encontrar um caminho, mais uma vez não foi possível chegar a um consenso mínimo.


3 comentários:

  1. E assim vai mudar tudo outra vez, complicar a vida a professores e alunos, para quê ? para nada, daqui a 4 anos volta a mexer tudo sem avaliação.

    O mais horrível são as horas deitadas fora na Área Projecto, experiência completamente falhada, e na Educação Cívica, completamente inútil e perniciosa. É voltar ao reino da mediocridade - se todo esse lixo entra também na avaliação do aluno , então sabemos que ela deixa de ser minimamente credível. Ganham os colégios.

    ResponderEliminar
  2. Completamente de acordo com o anterior comentário. Diria melhor, todo o sistema se tornou uma Área Projecto, o reino da mediocridade.
    Quem ouviu as conclusões do PISA:
    https://www.youtube.com/watch?v=cPYcq2Gi8Cc
    Entendeu bem onde estão os pontos fracos na Escola nacional. Mais de algo não significa melhor. E acabem lá com o (des)AO90 que é só mais um cancro na Escola e Sociedade. Que escumalha!!!

    ResponderEliminar
  3. Como sempre, é um grande gosto ouvir o professor Buescu a falar destes assuntos. :) Tomara que o ouvissem mais vezes...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.