sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

FACEBOOK – ANIVERSÁRIO – 4 de Fevereiro de 2015


Artigo recebido da escritora e colaboradora deste blogue Cristina Carvalho, que sai com atraso de poucos dias: 

 A rede social Facebook nasceu em 4 de fevereiro de 2004. Faz hoje 11 anos. E se estou a falar nisto é porque, na verdade, a vida das pessoas mudou muito nestes onze anos de ligação efectiva à internet e quem não entender isto, dificilmente se adaptará às novas regras da vida em sociedade, ou seja, da vida comunitária. Haverá sempre rebeldes, más-línguas, agressivos, intolerantes, teimosos e velhos antes do tempo. Uma pessoa tem todo o direito de não fazer parte dos quase 2 biliões de utilizadores da rede social Facebook. Era o que faltava! Não tem é o direito de não querer perceber o fenómeno. Nem sequer o querer perceber! Isso aí já roça as raias do analfabetismo mais primário, da intolerância, eu diria, da estupidez. Será o mesmo que não querer entender os malefícios ou os benefícios da luz eléctrica ou da água canalizada, ou disto, ou daquilo que compõe e anima o tempo em que vivemos. O tempo em que vivemos, todos nós, é o tempo. Com tudo o que advém do tempo. Não é “o meu tempo” ou o “teu tempo”. É o tempo. Ainda que outros tivessem vivido, tivessem tido carne e ossos a compor a sua condição humana noutros anos, noutras épocas, em outras eternidades. 

 Portanto, a rede social Facebook, criada pelo jovem de então, Mark Zuckerberg (n. 1984) juntamente com outros três colegas universitários, é tão importante e eficaz nos nossos tempos como foi o avião, ou o automóvel, ou a varinha mágica, ou o elevador nos prédios, etc, etc. Negar uma realidade prática e avassaladora é impossível. E não! O Facebook não é útil apenas para dizer «eu amo você»! Há mais utilidades! Bastantes mais!

Convém, pois, do mesmo modo que ensinamos aos nossos filhos não enfiar os dedos numa tomada de electricidade, ensinarmos também os perigos, desvantagens e vantagens desta rede social. Deverá ser ensinada e aprendida como qualquer outra matéria. Obviamente que o uso disparatado, estúpido e ignorante trará, fatalmente, consequências funestas. 

Muitos parabéns ao Facebook. E que possa melhorar, contribuir para o desenvolvimento – ainda que profundamente artificial, é bom que se diga – dos povos. Mais vale conhecer alguma coisa (e se quiser aprofundar, aprofunda nos livros e nas competências) do que não conhecer nada ou quase nada, como até 2004. 

 Este é o tempo!

 Cristina Carvalho

6 comentários:

  1. Espanto-me com o facto de uma pessoa que escreve bem afirmar que o facebook tem dois biliões de utilizadores quando existem pouco mais de 7 mil milhões de pessoas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde,

      Quase - dois biliões de utilizadores, foi o que eu escrevi e, naturalmente, a informação não a inventei.
      Mesmo que a informação que obtive esteja errada, aliás errada ou certa, o que é que isso tem a ver com o facto de uma pessoa, neste caso eu, escrever bem ou mal? Não compreendo...

      CC

      Eliminar
  2. Eu tenho ligação efectiva à Internet e não tenho FB. Nem quero. 11 anos depois não acho que precise. Nem tenho menos nem mais tempo. Melhor, se tenho ou não, é da Internet. O FB é um pretexto para o aniversário ou defecar alguma coisa útil se tal fosse possível?

    ResponderEliminar
  3. Cristina Carvalho, respeito o seu artigo e a sua opinião mas, sinceramente, lamento ter de lhe dizer que, na minha opinião, não tem ponta por onde se lhe pegue.

    Fala nas utilidades do FB mas, em todo o seu artigo, não refere uma única sequer. Além do mais, indica que "ninguém tem o direito de não entender o fenómeno, nem de querer não o perceber"!...Isso era o que mais faltava! Toda a gente tem o direito de querer entender ou não o que lhe apeteça, desde que cumpra as leis da sociedade onde se insere Irá o FB tornar-se obrigatório? Duvido, mesmo o telefone ou tlm nunca o foram.

    E não há fenómeno nenhum para perceber porque o FB não será mais que uma simples febre que toda a gente irá progressivamente largar, quando perceber que não serve absolutamente para nada, excepto para tornar a sociedade mais mentecapta.

    Dervich

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.