quarta-feira, 17 de setembro de 2014

UM ERRO CRASSO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA (MEC)


O  artigo sobre a média na colocação de professores saído no Observador foi muito visto, mas o problema continua actual pois o MEC está surdo, cego e mudo, neste problema como noutros (como os da escandalosa avaliação da  ciência). Estive a ver melhor e agora, depois de ter visto e ouvido, eis o que tenho a dizer:

- A fórmula aplicada no programa  GPC/2 + CE/2  (onde GPC = Graduação Profissional do Candidato e CE = Critérios da Escola; aparentemente na lei não está uma fórmula mas uma descrição por palavras, mal escrita, como acontece com muitas leis do MEC) é simplesmente idiota. Não faz sentido nenhum pois como diz o seu artigo não se somam coisas de duas escalas diferentes para no fim dividir por dois. É absurdo, é somar alhos com bugalhos.

- A fórmula GPC/2 + GPC/2 x CE, proposta por um professor, também não serve.  Outras fórmulas, como uma que vi publicada em comentário ao artigo, também não serve.

- O que se tema fazer é muito simples. Normalizar para a mesma escala as as duas classificações GPC e CE e só depois dividir por dois. A 2.-ª está numa escala de 0 a 100 (com um máximo que não oferece dúvidas, pois por definição não pode haver 101%). Então tem simplesmente de se ver quanto é 100% para a 1.ª, GPC. O máximo resulta de somar 20 (máximo de valores) a 10 (máximo de anos para aqueles professores, não acredito que sejam mais, mas se forem 15 ponha-se 15). Depois por uma proporção simples, passa-se o máximo para 100% e o GPC  fica dado em percentagem. Têm-se então 2 percentagens faz-se a média aritmética simples (somar e dividir por dois) e fica-se com uma ordenação em percentagens. Ficam todos ordenados de acordo com a lei que mandar dar peso idêntico a cada factor.

- O que está feito, seja para 2, para 20 ou para 2000 professores está errado. Como eu disse à jornalista Catarina Martins do Observador é injusto, por dar muito mais valor à CE do que ao  GPC, e ilegal, por não cumprir a lei.

- O MEC tem de emendar isso. A 5 de Outubro está pejada de pessoas que nem calcular uma proporção sabem. O ministro sabe, mas não os pode despedir (apesar da incompetência deles), nem, o que é pior, os quer emendar. Está refém deles! O problema é a existência de  professores inocentes que são vítimas da incompetência dessa gente e da falta de respeito à verdade e falta de coragem do ministro.  Se há professores colocados ao abrigo desse erro devem ser imediatamente descolocados, pois um erro deve emendar-se imediatamente. Não há nenhuns direitos adquiridos: se o meu banco me transferir dinheiro que não é meu para a minha conta, eu terei de devolver o dinheiro. O emprego não é de quem o ganhou com uma trapaça, embora não feita pelo próprio. 

A desculpa que se tem feito assim, i.e., que há uma tradição nesta matéria, é ridícula. É algo parecido com defender a escravatura ou a proibição de voto das mulheres com base na tradição. O ano passado fizeram um disparate (minorado, pois parece que a 2.ª parcela tinha o máximo de 10 e não de 100). Se o MEC o quer repetir, significa que é incapaz de aprender. Como quer que os outros aprendam? Como quer esta gente supervisionar o ensino?

5 comentários:

  1. "A 5 de Outubro está pejada de pessoas que nem calcular uma proporção sabem. O ministro sabe, mas não os pode despedir..."

    Uoooa... espere lá sr. prof. O que diz até poderá ser verdade (embora tais acusações devessem ser acompanhadas de argumentos masi substabciais). Mas duvido muito que a definição de tal regra tenha acontecido a um nível abaixo de director geral, ou seja uma cargo político. E nesse caso pode ser despedido ou, quem sabe, nunca deveria ter ido para lá.

    É caso para perguntar se foi um erro Crasso, um erro cratino... ou se foi de propósito e por quem tem responsabilidade.

    ResponderEliminar
  2. Eis Carlos Fiolhais inventa o ministro-vítima. A FCT anda a ceifar tudo o que mexe? A culpa é do Seabra, o pobre do Crato não pode fazer nada para evitar; é uma vítima. O MEC faz asneira? A culpa é dos funcionários, o pobre do Crato não pode fazer nada para corrigir; "está refém deles!". Pobre Crato: queria implodir o ministério e, segundo Fiolhais, acabou implodido. Uma vítima. Quando sair daquele inferno devemos dar-lhe lenços impolutos - e muitos! - e abraços fraternais. Depois choraremos enquanto rimos com o Moedas como comissário da Ciência. Nada que o Crato pudesse evitar.

    ResponderEliminar
  3. Independentemente de quem teve responsabilidades, o erro é por demais evidente e foi tornado público. Logo deveria ter imediatamente surgido um ordem do mais alto nível no ministério para corrigir esse erro. Se essa ordem não surgiu só podemos concluir que os responsáveis mais altos do ministério (leia-se ministro Nuno Crato) pactuam com esta actuação e estão contra o espírito da lei, aprovada pelo próprio governo a que pertencem. A meu ver isto deve seguir para os tribunais, com responsabilização directa do ministro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu concordo consigo. Os ministros são os responsáveis primeiros dos actos do ministérios. Mais ainda quando não corrigem erros. É isso que está aqui em questão: existe um erro matemático grosseiro e a responsabilidade é do ministro Crato. Contudo, para o Carlos Fiolhais todos são culpados de tudo menos o Crato. Esse é sempre um pobre refém do ministério. Isto é uma forma de corrupção moral muito típica do vilarejo que insiste ser Portugal.

      Eliminar
  4. A Escola Superior de Desporto de Rio Maior cujo custo, em 23 de Março de 2011, já ascendia a 18 milhões de euros…

    http://videos.sapo.ao/Z8RBcTU8gvd36nQeTpMf

    http://semanal.omirante.pt/noticia.asp?idEdicao=587&id=75308&idSeccao=8151&Action=noticia

    Foi inaugurada pelo Sr. Ministro da Educação, Prof. Nuno Crato, em 24 Maio de 2013, com um custo anunciado de cerca 13,5 milhões de euros!

    http://www.youtube.com/watch?v=_epZTM5R1Io

    http://www.oribatejo.pt/15-anos-depois-a-escola-de-desporto-de-rio-maior-chegou-a-casa-videos/

    Uma tragédia, sem dúvida, para as finanças públicas, ou seja, para nós. Pena é que o ridículo não pague imposto… pelo alívio que dessa cobrança adviria para as famílias portuguesas. As mesmas que fazem as delícias do discurso político deste Governo, sempre predisposto a cortar o poder de compra, e a confundir direitos fundamentais com regalias…

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.