sexta-feira, 8 de julho de 2016

Classica Digitalia: duas novas publicações

Os Classica Digitalia têm o gosto de anunciar duas novas publicações, com chancela editorial da Imprensa da Universidade de Coimbra e Annablume (São Paulo). 

Série “DIAITA: Scripta & Realia” - Maria de Fátima Silva & Jorge Paiva, Teofrasto. História das plantas. Coimbra e São Paulo, Imprensa da Universidade de Coimbra e Annablume, 2016) 464 p.

Este volume proporciona a primeira tradução em português da História das plantas de Teofrasto, resultante da colaboração entre uma helenista e um botânico. Além de um número elevado de notas, a tradução vem acompanhada de um amplo estudo introdutório, destinado a caracterizar Teofrasto, o seu universo intelectual e a estrutura científica do tratado. Completam o volume uma bibliografia e sete índices: dois dos termos gregos e respetiva tradução, com remissão para os capítulos do tratado; quatro dos nomes latinos das espécies vegetais e animais, com remissão para a numeração das notas de rodapé; um último de topónimos.

Série “Classica Instrumenta” - Rui Morais, Andrés María Adroher & María Carmen López Pertiñez, A coleção de vasos gregos do Instituto Gómez-Moreno, Granada (Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, 2016) 200 p.

Neste volume apresentam-se vasos gregos reunidos pelo arqueólogo e historiador granadino Manuel Gómez-Moreno Martínez (1870-1970), e que hoje fazem parte da Fundação Rodríguez-Acosta (Granada), que alberga parte de uma vasta coleção de arte reunida por aquele intelectual. Trata-se de um acervo que inclui 23 vasos gregos, provenientes da coleção do Marquês pontifício de Cubas, D. Francisco de Cubas y González-Montes (1826-1899).

Todos os volumes dos Classica Digitalia são editados em formato tradicional de papel e também na biblioteca digital. O eBook correspondente encontra-se disponível em acesso aberto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.