segunda-feira, 11 de junho de 2018

O que estamos a fazer aos nossos jovens?

Serão as crianças e os jovens de hoje menos capazes do que os de há décadas? A avaliar por algumas atitudes de adultos responsáveis, digo, que se consideram responsáveis, pela educação, parece que sim.
Agora tudo tem de ser simplificado, amenizado, expurgado de qualquer coisa que possa "cansar" as mentes infanto-juvenis apenas preparadas para as imagens, as frases curtas e simples, os sinais que fazem lembrar a escrita hieroglífica...

O disparate chegou ao ponto de alterar as obras literárias para as "adaptar" a esta modernidade leve, simples, desprovida de tudo o que possa exigir alguns segundos de concentração.

Já tinha aparecido uma notícia de que, no Brasil, as obras de Machado de Assis estavam a ser reescritas para que os jovens de hoje as entendessem!

Agora, um estudo publicado em França mostra como os livros de aventuras com que Enid Blyton encantou tantas gerações, estão também eles a ser simplificados, descaracterizados!!!

Mas não eram estes livros destinados a jovens? Não foram até considerados poucos literários? Por que razão não podem agora ser lidos como foram escritos pela sua autora? Serão os jovens de hoje menos capazes de entender? Ou são os adultos que estão a considerá-los uns "totós", uns incapazes que não entendem nada?!

A foto que se apresenta, retirada daqui, mostra um exemplo das diferenças entre a edição de 1955 e a de 2006 onde toda a descrição foi reduzida ao mínimo!

Mas o que significa isto? O que estamos a fazer a esta geração, retirando-lhe a fruição do belo, do literário, o culto da palavra, a beleza de uma bela descrição, a compreensão de outras épocas diferentes da sua? Algo tem de ser feito para colocar um "basta" nesta loucura que está a assaltar a sociedade actual.

5 comentários:

  1. Em físico-química, como agora se diz oficialmente, substituindo e simplificando o nome original, que fazia sentido, de Ciências físico-químicas, dantes ensinava-se, como deve ser, que o valor da aceleração da gravidade de corpos em queda livre próxima da superfície da Terra é 9,8 metros por segundo quadrado. Atualmente, só por ser mais fácil para os alunos, os professores são obrigados, pelas especialistas em educação do ministério, a ensinar, erradamente, que a aceleração da gravidade aumentou, nos últimos anos, para 10 metros por segundo quadrado!!!
    Em Portugal, os psicopatas não foram todos para dirigentes de futebol!

    ResponderEliminar
  2. O problema quando ser começa um processo de refinação é saber "como" e, principalmente, "quando" parar.
    E isto, quando se tem instrumentos cada vez mais sensíveis para detectar impurezas, e a tentação de ser mais papista que o Papa ou a Cúria ...
    Daí que o verdadeiro Artista é o que sabe quando não deve acrescentar nem mais uma pincelada do quadro, uma letra/vírgula no texto, etc, independentemente da qualidade técnica de execução da Obra!

    ResponderEliminar
  3. Agora a literatura é a única maneira de medir a inteligência de uma geração? No que toca a testes geométricos/visuais, cada geração dá cabo da anterior, mas disso nunca as pessoas gostam de falar...

    Se estas obras estão a ser "simplificadas", culpem quem tomou essas decisões, e não quem é alvo delas.

    ResponderEliminar
  4. Os "jovens" que esrao meramente citando no texto sao de gerações diferentes isso que dá um pouco de receio por que a lógica é sempre crescente no ponto de vista da sociedade e estamos crescendo errado. Será? Belo texto. OBS: TENHO 15 ANOS.

    ResponderEliminar
  5. «Os "jovens" que esrao meramente citando no texto sao de gerações diferentes isso que dá um pouco de receio por que a lógica é sempre crescente no ponto de vista da sociedade e estamos crescendo errado. Será? Belo texto. OBS: TENHO 15 ANOS.»

    Importa-se de repetir?!?!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.