quinta-feira, 28 de junho de 2018

O PATRIMÓNIO HUMANO PORTUGUÊS


Minha contribuição para o número de aniversário da revista "As Artes entre as Letras":


Património significa, segundo uma das definições dos dicionários, “bem ou conjunto de bens, materiais ou naturais, reconhecidos pela sua importância cultural.” Assim, dificilmente se poderá contrariar a ideia que o primeiro dos bens culturais são as pessoas: elas é que são as criadoras e disseminadoras de cultura. Faz, portanto, sentido a expressão “património humano,” que de resto prefiro a “recursos humanos” ou “capital humano,” ambas as fórmulas usadas num contexto económico. Neste ano de 2018, Ano Europeu do Património Cultural, é oportuno valorizar o património humano, o conjunto das pessoas que são geradoras e portadoras de cultura. Afinal, todos nós, pois todos nós somos de uma maneira ou de outra agentes de cultura, sendo-o tanto mais quanto maior for o grau de educação que tenhamos atingido (a educação não é mais do que a transmissão de uma parte, convenientemente escolhida, do património recebido da Humanidade que nos precedeu).
 
Falar de património humano é também, por isso, falar de educação. Em Portugal um fenómeno com enormes implicações sociais e culturais ocorrido nas últimas duas décadas foi a formação ao mais alto nível de uma geração de portugueses. O enorme crescimento do número de doutoramentos é um dos indicadores dessa crescente capacitação da população nacional. Em 2015 houve um total de 2969 novos doutorados portugueses, ao passo que vinte anos antes eram apenas 567 (dados da PORDATA). O alargamento no acesso a outros graus do ensino superior, nas mais variadas áreas do conhecimento, também é notório: em 2015 formaram-se nas universidades e nos politécnicos, no público e no privado, 76.892 estudantes, muito mais do que os 35.939 duas décadas antes. O nosso património humano está, por isso, cada vez mais rico, embora seja justo notar que, na economia, ainda não encontramos um reflexo claro do referido processo de qualificação: de facto, pesa ainda uma terrível herança de desqualificação: Portugal é dos países da Europa em que a população activa, convencionalmente dos 25 aos 64 anos, tem menor nível de escolaridade.

Justo é destacar, neste ano em que teria feito 70 anos, o contributo que deu para o recente desenvolvimento do nosso património humano um físico que se tornou político, José Mariano Gago (1948-2015), que foi em 1915 o primeiro ministro da Ciência e Tecnologia. Ele sempre considerou que ciência era uma parte integrante da cultura e que a formação científica era, portanto, uma formação cultural. Lembrando-o com saudade, louvo a iniciativa do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, de o condecorar, a título póstumo, em 16 de Maio passado (dia do seu aniversário), com a Grã-Cruz da Ordem de Sant’Iago da Espada.

O percurso feito nos últimos nove anos pelo “As Artes entre as Letras,” dirigido pela extraordinária Nassalete Miranda, mostra bem como a ciência se situa hoje, em Portugal, no seio da cultura. Que assim continue por muitos anos, ao serviço do património humano que somos nós.  

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.